sicnot

Perfil

Economia

Cerca de 6.500 taxistas esperados em protesto em Lisboa, Porto e Faro

Cerca de 6.500 taxistas são esperados hoje na manifestação nacional de protesto contra a atividade da Uber em Portugal, que será traduzida em marchas lentas pelas cidades de Lisboa, Porto e Faro.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Em Lisboa, onde são esperados quatro mil carros, os taxistas vão concentrar-se a partir das 8:00 junto ao Campus da Justiça, no Parque das Nações.

Pelas 09:00 partem em marcha lenta com destino à Assembleia da República, passando pelo aeroporto, Rotunda do Relógio, Avenida Almirante Gago Coutinho, Avenida Estados Unidos da América, Entrecampos, Avenida da República, Avenida Fontes Pereira de Melo, Avenida da Liberdade, Rossio, Rua do Ouro, Câmara de Lisboa, Avenida 24 de julho, Rua D. Carlos I e Assembleia da República.

Os taxistas pretendem ainda levar as famílias, que, no início da rua D. Carlos I, deverão seguir a pé até ao parlamento com os carros atrás. Na Assembleia da República, os trabalhadores querem ser ouvidos pelos partidos.

Segundo o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, os taxistas do aeroporto só se vão juntar à iniciativa quando a marcha lenta passar pelo local.

A PSP aconselhou os lisboetas a andarem hoje de transportes públicos para evitarem os congestionamentos de trânsito previstos.

No Porto, são esperados dois mil carros na concentração, que se inicia pelas 09:00 junto ao Castelo do Queijo e irá terminar na Câmara Municipal, onde os manifestantes serão recebidos pelo presidente Rui Moreira.

Os cerca de 500 taxistas que são esperados em Faro vão juntar-se no Estádio do Algarve, passar pelo aeroporto e parar junto à Câmara, onde também esperam ser recebidos.

Os carros vão circular com autocolantes e bandeiras com palavras de ordem como "A Uber é ilegal" ou "A Uber é crime nacional".

Esta é uma iniciativa conjunta da Federação Portuguesa do Táxi e da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros.

O serviço de transporte Uber permite chamar um carro descaracterizado com motorista privado através de uma plataforma informática que existe em mais de 300 cidades de cerca de 60 países.

Num manifesto entregue ao Governo este mês, as associações apelam à população para se solidarizar na "luta contra a Uber" e afirmam que o serviço é ilegal porque não se "submete às regras legais que em Portugal disciplinam a atividade do transporte em táxi".

A Uber afirma, contudo, que todos os seus parceiros são licenciados e "devidamente escrutinados" e admite que a empresa pode começar a distribuir serviços para táxis em Lisboa e no Porto, à semelhança do que já faz noutras cidades estrangeiras.

Na véspera deste protesto, a plataforma informou que o serviço poderá ser hoje afetado por congestionamentos do trânsito.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de quatro anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.