sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública portuguesa sobe para 233 mil M€ em março

A dívida pública na ótica de Maastricht subiu 1,7 mil milhões de euros em março face a fevereiro, fixando-se em 233 mil milhões de euros, segundo dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal (BdP).

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com o BdP, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, passou de 231,342 mil milhões de euros em fevereiro para 233,039 mil milhões de euros em março.

"Esta variação reflete emissões líquidas positivas de títulos (1,4 mil milhões de euros), um aumento das responsabilidades em numerário e depósitos (0,5 mil milhões de euros) e uma diminuição de empréstimos (0,3 mil milhões de euros)", sinaliza em comunicado a instituição liderada por Carlos Costa.

O aumento da dívida pública, segundo o BdP, foi acompanhado por um aumento "menos acentuado" dos ativos em depósitos (1,1 mil milhões de euros), pelo que a dívida pública líquida de depósitos da administração central registou um aumento de 0,6 mil milhões de euros face ao mês anterior, ascendendo a 218,6 mil milhões de euros.

A dívida pública em março de 2015 era, segundo os dados do banco central, de 227,906 mil milhões de euros.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país e o conceito está definido num regulamento de 2009 do Conselho Europeu, relativo à aplicação do protocolo sobre o procedimento relativo dos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43