sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública portuguesa sobe para 233 mil M€ em março

A dívida pública na ótica de Maastricht subiu 1,7 mil milhões de euros em março face a fevereiro, fixando-se em 233 mil milhões de euros, segundo dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal (BdP).

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com o BdP, a dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, passou de 231,342 mil milhões de euros em fevereiro para 233,039 mil milhões de euros em março.

"Esta variação reflete emissões líquidas positivas de títulos (1,4 mil milhões de euros), um aumento das responsabilidades em numerário e depósitos (0,5 mil milhões de euros) e uma diminuição de empréstimos (0,3 mil milhões de euros)", sinaliza em comunicado a instituição liderada por Carlos Costa.

O aumento da dívida pública, segundo o BdP, foi acompanhado por um aumento "menos acentuado" dos ativos em depósitos (1,1 mil milhões de euros), pelo que a dívida pública líquida de depósitos da administração central registou um aumento de 0,6 mil milhões de euros face ao mês anterior, ascendendo a 218,6 mil milhões de euros.

A dívida pública em março de 2015 era, segundo os dados do banco central, de 227,906 mil milhões de euros.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país e o conceito está definido num regulamento de 2009 do Conselho Europeu, relativo à aplicação do protocolo sobre o procedimento relativo dos défices excessivos anexo ao Tratado que institui a Comunidade Europeia.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.