sicnot

Perfil

Economia

Economia europeia a crescer a ritmo moderado até 2017

A economia europeia vai continuar a crescer a um ritmo moderado pelo menos até 2017. As previsões da Comissão Europeia apontam para uma subida de 1,6% do PIB na Zona Euro e 1,8% na União Europeia em 2016.

reuters

O boletim da primavera salienta que a política monetária do BCE tem estimulado o investimento através de medidas que facilitam o acesso ao financiamento. Ainda assim, o aumento dos preços do petróleo e a valorização do euro face ao dólar pode prejudicar as exportações dos países europeus.

A Comissão sublinha que continuam a ser necessárias reformas estruturais para controlar a elevada dívida pública e privada, ultrapassar as fragilidades do setor financeiro e aumentar a competitividade.

As estimativas apontam para uma queda da taxa de desemprego para 10,3% em 2016 e 9,9% em 2017 na Zona Euro.
No conjunto dos países da União, a taxa de desemprego deve fixar-se em 8,5% em 2017.
A inflação deve manter-se este ano muito próxima do zero.

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.