sicnot

Perfil

Economia

Paul Krugman diz que Portugal não deve ceder à pressão de Bruxelas

Exclusivo SIC

Paul Krugman diz que Portugal não deve ceder à pressão de Bruxelas

A ideia de que Portugal não deverá ceder à pressão de Bruxelas para aprovar novas medidas foi defendida pelo Nobel da Economia Paul Krugman. Em entrevista à SIC, o economista criticou a Comissão Europeia e acredita que Portugal tem margem de manobra suficiente para minimizar a austeridade.

  • Portugal deve continuar alívio fiscal, defende Nobel da Economia
    1:29

    Economia

    O Nobel da Economia Paul Krugman considera que a União Europeia deve aliviar os países como Portugal da pressão quanto ao cumprimento das regras orçamentais. O economista defende também que a renegociação da dívida portuguesa é um tema que por agora não deve estar em cima da mesa e que o Governo deve continuar a aliviar a carga fiscal.

  • Paul Krugman acredita na vitória de Hillary Clinton
    0:58

    Eleições EUA 2016

    Paul Krugman, o Nobel da Economia, acredita que as eleições Presidenciais norte-americanas serão travadas entre Hillary Clinton e Donald Trump. Numa entrevista à SIC, em Lisboa, o economista, que é apoiante democrata, espera que seja feita uma "escolha sensata" e retrata Trump como uma ameaça, de quem ninguém se lembrará depois das eleições. Este é um excerto de uma entrevista à SIC que pode ser vista na íntegra, esta noite, no jornal das 9 da SIC Notícias.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32