sicnot

Perfil

Economia

Portugal deve continuar alívio fiscal, defende Nobel da Economia

Portugal deve continuar alívio fiscal, defende Nobel da Economia

O Nobel da Economia Paul Krugman considera que a União Europeia deve aliviar os países como Portugal da pressão quanto ao cumprimento das regras orçamentais. O economista defende também que a renegociação da dívida portuguesa é um tema que por agora não deve estar em cima da mesa e que o Governo deve continuar a aliviar a carga fiscal.

"A Comissão Europeia devia ser mais tranquila. A rigidez das regras [orçamentais] não é adequada à natureza dos problemas, já que os países não estão a ser indisciplinados do ponto de vista orçamental. O problema foi provocado por um ajustamento muito difícil e pela debilidade da economia europeia", disse o economista norte-americano à margem do VI Congresso da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED).

Paul Krugman considerou que esta flexibilidade "não significa uma licença para um gasto descontrolado", e lembrou que quando os grandes países violam as regras orçamentais, isso é perdoado de uma forma ou outra.

"Devia haver também esse perdão para os países mais pequenos", sublinhou, acrescentando que "uma economia europeia eternamente deprimida não interessa a ninguém".

Só o Banco Central Europeu colheu elogios. Krugman considerou que "é o exemplo de uma instituição europeia que está a tentar fazer o sistema funcionar" e que "Draghi e companhia estão a fazer tudo o que podem", em termos de política monetária, apesar de "os deuses da economia" não estarem ao seu lado.

Krugman afirmou que há espaço para aliviar um pouco a austeridade e mostrou-se novamente favorável às políticas expansionistas.

"Os mercados financeiros não vão entrar em pânico. Um ponto no PIB não vai fazer diferença, mas pode tornar os custos mais toleráveis para as pessoas", destacou.

O economista admitiu, no entanto, que a margem de manobra do Governo português é limitada face às imposições europeias.

"O Governo português não tem grande margem de manobra para alterar o cenário macroeconómico, mas pode minimizar o impacto sobre as pessoas, aliviando a política orçamental", sugeriu.

Quanto aos riscos sobre a sustentabilidade da dívida serão mais fracos, quanto mais forte for a economia europeia, embora a situação grega mereça algumas preocupações.

"Se a economia europeia, como um todo, tropeçar, se a inflação continuar baixa para sempre e não houver um crescimento forte, não só Portugal, mas todos os países do sul da Europa vão ter uma situação de dívida insustentável, mas acredito que isso não vai acontecer", declarou, de forma otimista.

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.