sicnot

Perfil

Economia

Viagem entre o Porto e Quintanilha pela A4 vai custar 7,30 €

A Autoestrada do Marão possui 30 quilómetros, 5,6 por túnel e 12 viadutos, e conclui a ligação por autoestrada (A4) entre o Porto e a fronteira, em Bragança, de 200 quilómetros e 7,30 euros de portagem.

Sete anos depois do arranque da obra, a Autoestrada do Marão vai abrir ao trânsito às 00:00 de domingo.

A nova autoestrada, construída entre Vila Real e Amarante, visa contribuir para o desenvolvimento de Trás-os-Montes e do Douro, garantir a mobilidade em melhores condições e segurança e contribuir para a redução dos tempos de percurso entre o interior e o litoral e da sinistralidade rodoviária.

Esta via apresenta-se como alternativa ao Itinerário Principal 4 (IP4), um traçado de montanha que foi palco de muitos e graves acidentes.

Com quase 30 quilómetros, a nova autoestrada inclui um túnel rodoviário com 5,6 quilómetros e ainda 12 viadutos, o maior dos quais com 913 metros de extensão e 120 metros de altura.

Ao longo do traçado foram ainda construídas cinco passagens de fauna e plantadas cerca de 700 árvores.

O empreendimento possui três nós de ligação, sendo que o pórtico de cobrança de portagens está instalado perto do nó da Campeã, no concelho de Vila Real.

Percorrer o túnel, em situação normal de circulação, demora cerca de quatro minutos e vai custar 1,95 euros (veículos classe 1), 3,40 euros (classe 2), 4,40 euros (classe 3) e 4,90 euros (classe 4).

Nesta autoestrada, vão aplicar-se os descontos praticados nas ex SCUT, nomeadamente para os veículos de mercadorias 10% no período diurno, 25 % no período noturno, fins de semana e feriados.

Os motociclos terão um desconto de 30% (com utilização de dispositivo eletrónico).

O preço da portagem previsto para a Autoestrada do Marão, aquando do arranque da obra há sete anos, era de cerca de três euros.

O túnel e as variantes de Bragança e Vila Real eram os únicos troços portajados nos contratos das empreitadas das autoestradas do Marão e Transmontana, esta última que liga Vila Real a Bragança.

O percurso entre o Porto e Vila Real vai ter uma portagem total de 5,95 euros para veículos classe 1, mas se os automobilistas optarem por atravessar o viaduto do Corgo, para a zona industrial de Vila Real e já inserido na Autoestrada Transmontana, o custo acresce mais 70 cêntimos.

Viajar entre o Porto e Quintanilha pela A4 vai custar 7,30 euros para veículos classe 1 e 18,25 para veículos classe 4.

Nos últimos dias têm-se multiplicado as posições em defesa da abolição de portagens na Autoestrada do Marão, nomeadamente por parte da Comissão de Utentes da A4, bem como pelo Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) e o Bloco de Esquerda.

O Governo já referiu que as portagens se justificam devido à existência de uma via alternativa, o IP4, que se vai manter em funcionamento, e porque se trata de "uma obra de extraordinária dimensão, com um investimento financeiro muito significativo".

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42