sicnot

Perfil

Economia

Fujitsu investe 1 M€ em centro de competências de Braga que emprega 100 pessoas

A Fujitsu investiu um milhão de euros no centro de competências internacional de Braga, unidade que emprega 100 pessoas e que hoje é inaugurada numa cerimónia que conta com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

Sebastian Widmann


"O investimento neste centro foi de um milhão de euros, empregando desde já 100 pessoas e estimando-se um rápido crescimento para os 300 colaboradores, disse à Lusa o diretor-geral da Fujitsu Portugal, Carlos Barros.

O centro de competências internacional de Braga arrancou este ano, "com os primeiros colaboradores a receberem formação no centro de competências de Lisboa, onde temos mais de 900 pessoas a prestar estes serviços de suporte técnico de excelência para todo o mundo", acrescentou o diretor-geral do grupo de origem nipónica.

A sessão inaugural deste centro de competências internacional está agendada para as 10:00 e conta com as presenças do primeiro-ministro, António Costa, do embaixador do Japão, Hiroshi Azuma, e de líderes da Fujitsu, como o responsável global Hidenori Furuta, o vice-presidente para as regiões da Europa, Médio Oriente, Índia e África, François Fleutiaux, e o diretor-geral da empresa em Portugal, Carlos Barros.

O centro de competências da Fujitsu em Portugal, que inclui Lisboa e a extensão de Braga, "dirige-se a clientes nacionais e internacionais", disse o diretor-geral.

"Trabalhamos para dezenas de empresas nos mais variados setores de atividade. Atualmente, garantimos suporte a 350.000 utilizadores em mais de 150 países, dando suporte técnico especializado em 23 idiomas distintos e tendo apostado na formação contínua dos colaboradores, prestando uma média de 30 horas por ano de formação por cada agente/operador", adiantou o responsável pelo mercado português.

"Anualmente, a equipa do centro de competências responde a mais de 2,4 milhões de contactos, com uma notável taxa de resolução imediata, acima dos 80%", apontou o diretor-geral, salientando que os níveis de serviço prestados aos clientes "superam os 97%, o que atesta a elevada satisfação pelo trabalho desenvolvido em Portugal.

Questionado sobre a razão para a Fujitsu ter apostado num centro de competências internacional em Braga, o diretor-geral adiantou que o objetivo foi descentralizar a operação.

Isto porque "o centro de competências em Lisboa já ultrapassou as 900 pessoas", pelo que "optámos por Braga porque a região dispõe de uma população jovem, altamente qualificada (no nosso centro de competências mais de 80% dos colaboradores são licenciados) e com aptidão para falar mais de um ou dois idiomas fluentemente devido à emigração que tendencialmente acontece para França, Suíça ou Alemanha", adiantou.

Além do centro de competências internacional em Lisboa, a empresa tem uma outra extensão de suporte em Marrocos.

Questionado sobre se a empresa prevê anunciar mais projetos em breve em Portugal, Carlos Barros disse que "o crescimento constante" da Fujitsu no mercado português "ao longo dos últimos anos faz antever em breve mais anúncios de expansão" da operação.

"Acreditamos que Portugal apresenta características competitivas para a criação de emprego qualificado", concluiu o diretor-geral.

Lusa

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02