sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores do Metro recusam horas extraordinárias para eventos como o Rock in Rio

Os maquinistas do Metropolitano de Lisboa recusam cumprir horas extraordinárias para assegurar o transporte de passageiros para eventos como o Rock in Rio se se mantiverem as atuais condições laborais, disse hoje à Lusa uma fonte sindical.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Mantendo-se as condições atuais, os trabalhadores não estão disponíveis para participar no transporte de pessoas para eventos que se perspetivam como o Rock in Rio e as Festas da Cidade", afirmou Paulo Machado da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans).

Segundo o sindicalista, naqueles dias é esperado um aumento do número de passageiros, pelo que, para assegurar o transporte de todos, tem de se aumentar a frequência da passagem de comboios, bem como o número de trabalhadores.

"Isso é outra coisa que não percebemos: estamos com défice de recursos humanos e com um espaçamento enorme entre comboios, mas para participar em eventos daqueles já há condições", frisou.

Na origem da contestação dos maquinistas estão a organização dos tempos de trabalho, a marcação dos períodos de férias dos maquinistas e a admissão de novos trabalhadores, entre outros.

A posição foi definida no decorrer de um plenário que decorreu hoje de manhã nas instalações do Metropolitano de Lisboa e surge numa altura em que a transportadora tem a decorrer uma campanha para o Rock in Rio que tem por mote "Eu vou e volto com os Transportes de Lisboa".

A Lusa contactou o Metropolitano de Lisboa, mas ainda não obteve um comentário.

O Rock in Rio realiza-se nos dias 19, 20, 27, 28 e 29 no Parque da Bela Vista. Hoje, a organização referiu que o metro vai funcionar nos horários normais, mas com um reforço do serviço.

As Festas da Cidade decorrem em várias zonas da capital durante todo o mês de junho.

Lusa

  • Queixas sobre comércio online dispararam em 2017

    Economia

    A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) recebeu 1.642 reclamações sobre compras feita pela internet em 2017, numa média de quatro queixas por dia, número que sobe para 8.538 no caso da rede social Portal da Queixa.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52