sicnot

Perfil

Economia

Televisão continua a liderar consumo de media em Portugal

A televisão continua a liderar o consumo nos media, conclui a segunda edição do projeto do regulador dos media, ERC, "Públicos e Consumos de Media", em parceria com a Universidade Católica e a GfK Portugal, a divulgar segunda-feira.

Segundo o estudo, denominado "As novas dinâmicas do consumo televisivo em Portugal", a televisão "continua a ser o meio mais consumido pelos inquiridos: 99% dizem ver regularmente programas televisivos".

Os dados do estudo "comprovam a existência de um fosso geracional nas práticas de consumo entre as gerações mais velhas, que mantém a televisão e a sala de estar como o principal meio e local privilegiado para o consumo de conteúdos, por oposição às gerações mais jovens que, não obstante manterem uma afinidade muito elevada com a televisão, diversificam os seus locais de consumo, bem como os dispositivos através dos quais acedem a conteúdos audiovisuais".

Enquanto 99% dos inquiridos afirmam ver televisão com regularidade, 60,5% dizem utilizar frequentemente a Internet, 68,2% acedem com regularidade a jornais e revista e 73% têm por hábito a escuta de rádio, refere o estudo.

"Cerca de um quarto do total dos inquiridos tem apenas acesso aos cinco canais (RTP1, RTP2, SIC, TVI e canal Parlamento), apresentando como motivo chave razões económicas (65,9%), seguindo-se, com 48,4%, o facto de os cinco canais oferecerem programas suficientes para satisfação das necessidades informativas e recreativas", conclui o estudo.

No caso da Internet, 39,5% dos inquiridos afirmaram que não acedem regularmente a esta.

Ora este dado confirma que "Portugal é dos países da Europa com uma das maiores taxas de indivíduos que não acede regularmente à Internet".

"A existência de um fosso digital torna relevante compreender quais as variáveis sociodemográficas que melhor distinguem os indivíduos com e sem acesso regular à rede. De acordo com os resultados do inquérito, a realidade é distinta nas diversas regiões do país".

Ou seja, no Algarve a taxa de utilização é de 72% e na Grande Lisboa de 67,9%, enquanto no Norte e no Alentejo os valores baixam para 53,3% e 58,2%, respetivamente.

Relativamente à faixa etária, "96,3% dos indivíduos entre os 15 e os 24 anos ligam-se à rede com regularidade", enquanto nos maiores de 65 anos o peso é de 11,5%.

"Tal demonstra existir ainda em Portugal um fosso etário no consumo de novas tecnologias, não obstante os inúmeros projetos dedicados à promoção da literacia digital junto da população sénior", refere o estudo.

No que respeita ao consumo dos média tradicionais através da Internet, mais de metade dos inquiridos (53,6%) disse aceder "regularmente a conteúdos de jornais e revistas, enquanto 22,7% ouvem programas de rádio e 21,7% consomem conteúdos de televisão".

Sobre o consumo de jornais e revistas, mais de dois terços (68,2%) disse aceder regularmente a conteúdos de imprensa tanto em papel como em versões digitais.

"O hábito de aceder à informação produzida pela imprensa apresenta uma maior prevalência nos indivíduos entre os 35 e 44 anos (79,1%) e entre os 25 e os 34 anos (78%). Já entre os maiores de 65 anos apenas 52,5% são leitores regulares", acrescenta o estudo, que ainda indica que os segmentos mais jovens também consomem informação: 78% entre 25 e os 34 anos e 63% entre os 15 e 24 anos.

Sobre a rádio, 73% dos inquiridos afirmaram ouvi-la com regularidade, sendo "o segundo meio, apenas superado pela televisão, em termos do número de indivíduos que atinge".

Os indivíduos com idades entre os 35 e 44 anos (84,2%) e os 25 e os 34 anos (83,6%) "são os que mais se ligam ao meio sonoro", e em sentido inverso, "entre os maiores de 65 anos a percentagem de ouvintes regulares de rádio é de apenas 55,3%, o que nos permite concluir que se trata de um meio com apelo, sobretudo, entre a população ativa e os estudantes", refere o documento.

Na televisão, os portugueses preferem os programas de informação e telenovelas, filmes e séries, sendo que a maior parte (86%) não usam o aparelho de televisão para outro fim além do visionamento televisivo.

O estudo teve uma amostra de 1.018 indivíduos, representativos do universo a estudar - população residente em território nacional com 15 ou mais anos de idade.

O trabalho de campo decorreu entre 03 de outubro e 30 de novembro de 2015.

ALU// ATR

Lusa/Fim

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.