sicnot

Perfil

Economia

Televisão continua a liderar consumo de media em Portugal

A televisão continua a liderar o consumo nos media, conclui a segunda edição do projeto do regulador dos media, ERC, "Públicos e Consumos de Media", em parceria com a Universidade Católica e a GfK Portugal, a divulgar segunda-feira.

Segundo o estudo, denominado "As novas dinâmicas do consumo televisivo em Portugal", a televisão "continua a ser o meio mais consumido pelos inquiridos: 99% dizem ver regularmente programas televisivos".

Os dados do estudo "comprovam a existência de um fosso geracional nas práticas de consumo entre as gerações mais velhas, que mantém a televisão e a sala de estar como o principal meio e local privilegiado para o consumo de conteúdos, por oposição às gerações mais jovens que, não obstante manterem uma afinidade muito elevada com a televisão, diversificam os seus locais de consumo, bem como os dispositivos através dos quais acedem a conteúdos audiovisuais".

Enquanto 99% dos inquiridos afirmam ver televisão com regularidade, 60,5% dizem utilizar frequentemente a Internet, 68,2% acedem com regularidade a jornais e revista e 73% têm por hábito a escuta de rádio, refere o estudo.

"Cerca de um quarto do total dos inquiridos tem apenas acesso aos cinco canais (RTP1, RTP2, SIC, TVI e canal Parlamento), apresentando como motivo chave razões económicas (65,9%), seguindo-se, com 48,4%, o facto de os cinco canais oferecerem programas suficientes para satisfação das necessidades informativas e recreativas", conclui o estudo.

No caso da Internet, 39,5% dos inquiridos afirmaram que não acedem regularmente a esta.

Ora este dado confirma que "Portugal é dos países da Europa com uma das maiores taxas de indivíduos que não acede regularmente à Internet".

"A existência de um fosso digital torna relevante compreender quais as variáveis sociodemográficas que melhor distinguem os indivíduos com e sem acesso regular à rede. De acordo com os resultados do inquérito, a realidade é distinta nas diversas regiões do país".

Ou seja, no Algarve a taxa de utilização é de 72% e na Grande Lisboa de 67,9%, enquanto no Norte e no Alentejo os valores baixam para 53,3% e 58,2%, respetivamente.

Relativamente à faixa etária, "96,3% dos indivíduos entre os 15 e os 24 anos ligam-se à rede com regularidade", enquanto nos maiores de 65 anos o peso é de 11,5%.

"Tal demonstra existir ainda em Portugal um fosso etário no consumo de novas tecnologias, não obstante os inúmeros projetos dedicados à promoção da literacia digital junto da população sénior", refere o estudo.

No que respeita ao consumo dos média tradicionais através da Internet, mais de metade dos inquiridos (53,6%) disse aceder "regularmente a conteúdos de jornais e revistas, enquanto 22,7% ouvem programas de rádio e 21,7% consomem conteúdos de televisão".

Sobre o consumo de jornais e revistas, mais de dois terços (68,2%) disse aceder regularmente a conteúdos de imprensa tanto em papel como em versões digitais.

"O hábito de aceder à informação produzida pela imprensa apresenta uma maior prevalência nos indivíduos entre os 35 e 44 anos (79,1%) e entre os 25 e os 34 anos (78%). Já entre os maiores de 65 anos apenas 52,5% são leitores regulares", acrescenta o estudo, que ainda indica que os segmentos mais jovens também consomem informação: 78% entre 25 e os 34 anos e 63% entre os 15 e 24 anos.

Sobre a rádio, 73% dos inquiridos afirmaram ouvi-la com regularidade, sendo "o segundo meio, apenas superado pela televisão, em termos do número de indivíduos que atinge".

Os indivíduos com idades entre os 35 e 44 anos (84,2%) e os 25 e os 34 anos (83,6%) "são os que mais se ligam ao meio sonoro", e em sentido inverso, "entre os maiores de 65 anos a percentagem de ouvintes regulares de rádio é de apenas 55,3%, o que nos permite concluir que se trata de um meio com apelo, sobretudo, entre a população ativa e os estudantes", refere o documento.

Na televisão, os portugueses preferem os programas de informação e telenovelas, filmes e séries, sendo que a maior parte (86%) não usam o aparelho de televisão para outro fim além do visionamento televisivo.

O estudo teve uma amostra de 1.018 indivíduos, representativos do universo a estudar - população residente em território nacional com 15 ou mais anos de idade.

O trabalho de campo decorreu entre 03 de outubro e 30 de novembro de 2015.

ALU// ATR

Lusa/Fim

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.