sicnot

Perfil

Economia

Estado perdeu mais de 65 mil funcionários públicos em quatro anos

O Estado perdeu mais de 65 mil funcionários públicos entre dezembro de 2011 e março de 2016, o que representa uma quebra de 9% em pouco mais de quatro anos, foi hoje divulgado.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP), divulgada pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a 31 de março de 2016, o emprego no setor das administrações públicas situava-se em 662.190 postos de trabalho, revelando um aumento de cerca de 0,8% em termos homólogos (mais 5.438 postos de trabalho) e uma quebra de 9% face a 31 de dezembro de 2011 (correspondente a uma redução de 65.452 postos de trabalho).

A administração central é o subsetor que revela a maior diminuição de emprego face ao final de 2011, com uma redução de 45.967 pontos de trabalho, que traduzem, em termos percentuais, uma quebra de 8,3%.

Já em comparação com o final do trimestre anterior, os dados da DGAEP indicam que o emprego nas administrações públicas cresceu em 3.731 postos de trabalho (0,6%) no primeiro trimestre deste ano, em resultado do aumento do número de trabalhadores da administração central (mais 3.589 correspondente a um crescimento de 0,7%).

Esta subida é justificada pelos "novos contratos a termo de médicos e enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde (em particular nas Entidades Públicas Empresariais), bem como de docentes nos estabelecimentos de educação e ensino básico e secundário, que representam cerca de 82% do acréscimo líquido de trabalhadores na administração central no final do trimestre".

De acordo com a SIEP, a 31 de março de 2016, o emprego por subsectores nas administrações públicas apresenta uma estrutura semelhante à do final do quarto trimestre de 2015, "com um ligeiro aumento no peso dos trabalhadores na administração central, de 76,2% para 76,3%, em contrapartida a uma ligeira diminuição do peso dos trabalhadores na administração local, de 16,7% para 16,6%".

Com um peso na população total de 6,4%, o emprego no setor das administrações públicas representava, a 31 de março último, cerca de 12,8% da população ativa e de 14,7% da população empregada.

A 31 de março último, em cada dez trabalhadores das administrações públicas, seis são mulheres, representando 15,6% da população ativa.

Quanto ao valor da remuneração média mensal dos trabalhadores a tempo completo nas administrações públicas, esta era de 1.417 euros em janeiro de 2016, correspondendo a uma variação global média de 1,1% face ao mês de referência do trimestre anterior (outubro).

Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.