sicnot

Perfil

Economia

Novos donos da CP Carga admitem recrutar trabalhadores ainda em 2016

A Medlog, nova designação da CP Carga privatizada em janeiro, vai aumentar o número de trabalhadores ainda este ano para cumprir a estratégia de crescimento, que prevê a liderança na Península Ibérica, afirmou hoje o presidente.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

MARIO CRUZ

"Vamos manter todos os postos de trabalho e vamos ter que recrutar pessoas se queremos crescer. O atual contingente não tem margem para a empresa crescer", afirmou Carlos Vasconcelos à margem da apresentação da nova marca, quatro meses após a aquisição de 95% da CP Carga pelo grupo suiço MSC.

Desde a aquisição da empresa ao grupo CP - Comboios de Portugal, os novos donos já reforçaram o departamento comercial com cinco pessoas, pagaram dívidas da empresa no valor de 52 milhões de euros e investiram cerca de 12 milhões de euros na aquisição de quatro locomotivas.

Em declarações aos jornalistas, Carlos Vasconcelos revelou que o plano da Medlog passa por mudar a filosofia da atividade em Portugal e expandir para Espanha, primeiro, e depois para o resto da Europa.

"A questão mais importante é continuar a assegurar todos os serviços que a empresa vinha a assegurar, mas não queremos ficar por aí. Queremos expandir em Portugal o que é possível e sobretudo passar a fronteira", adiantou.

Em Portugal, acrescentou, "o essencial é mudar a filosofia no transporte de comboio multicliente para comboio multiproduto", estando a estudar a aquisição de plataformas para poder transportar camiões.

"Temos a perceção que um dos maiores clientes da ferrovia é a rodovia, mas não a queremos combater, preferimos antes trazer a rodovia para a ferrovia", acrescentou.

Em Espanha, o plano para este ano prevê a manutenção dos serviços com parceiros, mas em 2017 a Medlog prevê lançar novos serviços, com a meta de ser "o maior operador ibérico de mercadorias".

A venda de 95% do capital da CP Carga à operadora ferroviária suíça Mediterranean Shipping Company Rain (MSC), por 53 milhões euros, foi concluída em 20 de janeiro, após a Autoridade da Concorrência (AdC) ter dado luz verde ao negócio.

Mas a privatização da empresa foi conduzida pelo anterior governo, que assinou o acordo para a venda a 21 de setembro de 2015.

A proposta da MSC Rail venceu o concurso com uma proposta de 53 milhões de euros na CP Carga - 51 milhões de euros para capitalização e dois milhões no valor das ações -, que comparava com a da Atena Equity Partners, no valor de 45,5 milhões de euros, e da Cofihold de 30 milhões de euros.

Segundo o responsável, a empresa suíça investiu 52 milhões na CP Carga (a partir de agora Medlog) ao pagar as dívidas que a empresa tinha, nomeadamente com o setor bancário.

O novo nome da empresa - Medlog - resultou da adaptação de uma proposta feita por um dos 542 colaboradores no âmbito de um concurso lançado internamente.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.