sicnot

Perfil

Economia

Novos donos da CP Carga admitem recrutar trabalhadores ainda em 2016

A Medlog, nova designação da CP Carga privatizada em janeiro, vai aumentar o número de trabalhadores ainda este ano para cumprir a estratégia de crescimento, que prevê a liderança na Península Ibérica, afirmou hoje o presidente.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

MARIO CRUZ

"Vamos manter todos os postos de trabalho e vamos ter que recrutar pessoas se queremos crescer. O atual contingente não tem margem para a empresa crescer", afirmou Carlos Vasconcelos à margem da apresentação da nova marca, quatro meses após a aquisição de 95% da CP Carga pelo grupo suiço MSC.

Desde a aquisição da empresa ao grupo CP - Comboios de Portugal, os novos donos já reforçaram o departamento comercial com cinco pessoas, pagaram dívidas da empresa no valor de 52 milhões de euros e investiram cerca de 12 milhões de euros na aquisição de quatro locomotivas.

Em declarações aos jornalistas, Carlos Vasconcelos revelou que o plano da Medlog passa por mudar a filosofia da atividade em Portugal e expandir para Espanha, primeiro, e depois para o resto da Europa.

"A questão mais importante é continuar a assegurar todos os serviços que a empresa vinha a assegurar, mas não queremos ficar por aí. Queremos expandir em Portugal o que é possível e sobretudo passar a fronteira", adiantou.

Em Portugal, acrescentou, "o essencial é mudar a filosofia no transporte de comboio multicliente para comboio multiproduto", estando a estudar a aquisição de plataformas para poder transportar camiões.

"Temos a perceção que um dos maiores clientes da ferrovia é a rodovia, mas não a queremos combater, preferimos antes trazer a rodovia para a ferrovia", acrescentou.

Em Espanha, o plano para este ano prevê a manutenção dos serviços com parceiros, mas em 2017 a Medlog prevê lançar novos serviços, com a meta de ser "o maior operador ibérico de mercadorias".

A venda de 95% do capital da CP Carga à operadora ferroviária suíça Mediterranean Shipping Company Rain (MSC), por 53 milhões euros, foi concluída em 20 de janeiro, após a Autoridade da Concorrência (AdC) ter dado luz verde ao negócio.

Mas a privatização da empresa foi conduzida pelo anterior governo, que assinou o acordo para a venda a 21 de setembro de 2015.

A proposta da MSC Rail venceu o concurso com uma proposta de 53 milhões de euros na CP Carga - 51 milhões de euros para capitalização e dois milhões no valor das ações -, que comparava com a da Atena Equity Partners, no valor de 45,5 milhões de euros, e da Cofihold de 30 milhões de euros.

Segundo o responsável, a empresa suíça investiu 52 milhões na CP Carga (a partir de agora Medlog) ao pagar as dívidas que a empresa tinha, nomeadamente com o setor bancário.

O novo nome da empresa - Medlog - resultou da adaptação de uma proposta feita por um dos 542 colaboradores no âmbito de um concurso lançado internamente.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.