sicnot

Perfil

Economia

Governo quer injetar 4 mil M€ na CGD

O Governo quer injetar 4 mil milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos (CGD). A notícia é avançada pelo Expresso que diz que o novo presidente do banco do Estado terá colocado esta injecção de capital como condição para aceitar o cargo.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

Reuters

O montante ultrapassa as necessidades de capital, premitindo criar uma almofada de segurança. O aumento de capital depende ainda da autorização de Bruxelas.

António Costa, escreve o semanário, já terá dado também carta branca a António Domingues, que vem do BPI, para escolher a equipa com que vai trabalhar na Caixa.

CGD reduzi 529 trabalhadores e 36 agências nos últimos 12 meses

A CGD reduziu o quadro de pessoal em 529 funcionários para 8.370 trabalhadores e o número de agências em 36 para 732 em Portugal entre março de 2015 e o mesmo mês deste ano.

Só no ano de 2015 saíram da operação doméstica da CGD 514 pessoas, e entre janeiro e abril mais 103 colaboradores. Quanto aos balcões, foram encerrados 34 desde o início do ano, informou hoje o banco público.

A 'fatia de leão' dos trabalhadores que saíram do banco é referente ao Plano Horizonte, o programa de reformas antecipadas da CGD que atraiu mais de 1.000 funcionários (mas nem todos as candidaturas voluntárias foram aceites pela administração) e que foi lançado em 2015 e vai ser fechado em 2016.

As restantes saídas são na sua maioria relativas a processos normais de reformas.

Com Lusa

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos oito jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47