sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo de Sousa defende recapitalização e fortalecimento da Caixa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje, em Castelo Branco, a recapitalização e o fortalecimento da Caixa Geral de Depósitos (CGD), desde que tal sirva para o desenvolvimento económico e apoio às famílias.

ANT\303\223NIO COTRIM

"O PCP está de acordo que se recapitalize a CGD desde que sirva para o desenvolvimento económico, para atender às pequenas e médias empresas (PME), para atender às famílias. Esta é uma posição clara do PCP", afirmou.

Na sua intervenção, durante o encerramento da X Assembleia da Organização Regional de Castelo Branco do PCP, Jerónimo de Sousa sublinhou que uma das questões que está na ordem do dia é o "sim ou não" à recapitalização da CGD.

"Nós (PCP) defendemos que o Estado que tanto tem posto a mão por baixo à banca privada, obrigando os portugueses a pagar o desmando dessa banca, nós pensamos que a CGD não só deve ser recapitalizada como fortalecida com o objetivo de se virar para o apoio da nossa economia nacional, dos pequenos e médios empresários e agricultores, de apoio às famílias", defendeu.

O líder comunista abordou também a questão das "ameaças de sanções" patentes nas conclusões da reunião dos comissários da União Europeia (UE), por causa do défice excessivo das contas públicas do país em 2015.

"O que está em curso é uma operação que visa levar ainda mais longe o condicionamento do rumo do país no sentido contrário aos interesses nacionais. O que a Comissão Europeia acaba de afirmar ser necessário corrigir é exatamente o resultado desastroso das políticas que nos impuseram nos últimos anos e, particularmente, nestes anos de pacto de agressão", disse.

O secretário-geral do PCP recordou que, nos últimos anos, cada novo conjunto de "recomendações" da UE serviu sempre "para aumentar a exploração dos trabalhadores e do povo e acabou por agravar mais e mais a situação económica e social do país e a enorme dívida que carrega".

"O que a decisão do colégio de comissários vem comprovar é que a política, as chantagens e as imposições da UE, estão em total confronto que a política que Portugal precisa e de que os trabalhadores e o povo português reclamam", sustentou.

Durante o discurso, Jerónimo de Sousa disse que o país precisa de fazer parar o "ciclo vicioso" de destruição económica e social e adiantou que ou Portugal cria condições para crescer e se desenvolver ou cede à pressão e chantagem da UE.

"O país precisa de remover três grandes constrangimentos e por sua vez, adotar três indispensáveis instrumentos para a resolução deste magno problema nacional. Tem de libertar-se do euro, tem de renegociar a dívida e tem que controlar publicamente a banca para arranjar, respetivamente, a moeda, os recursos e os créditos que lhe financiem o crescimento económico e o desenvolvimento", sublinhou o líder comunista.

A submissão ao euro, a dívida colossal e a dominação monopolista da banca são, segundo o secretário-geral do PCP, três mecanismos de dependência e três veículos de transferência de recursos para o estrangeiro que tanta falta fazem ao país.

"Portugal precisa da sua própria moeda", sustentou.

Jerónimo de Sousa falou ainda dos primeiros meses da fase da nova vida nacional e disse que os resultados ainda estão aquém do que é necessário na resposta às reivindicações e na reposição dos direitos e da melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo.

"Sabemos que as opções do Governo do PS não integram a solução de fundo que, a nosso ver, o país precisa para resolver os graves problemas com que está confrontado, nomeadamente para responder às necessidades do crescimento económico e do emprego, mas não subestimamos nem desprezamos os avanços já conseguidos", concluiu.

Lusa

  • Incêndio na Sertã "está para durar"
    3:32

    País

    Mais de 700 operacionais combatem o incêndio com três frentes ativas, na Sertã. A jornalista da SIC, Patrícia Figueiredo, esteve junto a Relva da Louça, em Proença-a-Nova, onde avançou que a "situação está complicada" e que as chamas estão quase a alcançar a localidade. A jornalista dá conta ainda de várias equipas da Proteção Civil a ajudar os bombeiros e do seu trabalho dificultado por causa do vento.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15