sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo de Sousa defende recapitalização e fortalecimento da Caixa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje, em Castelo Branco, a recapitalização e o fortalecimento da Caixa Geral de Depósitos (CGD), desde que tal sirva para o desenvolvimento económico e apoio às famílias.

ANT\303\223NIO COTRIM

"O PCP está de acordo que se recapitalize a CGD desde que sirva para o desenvolvimento económico, para atender às pequenas e médias empresas (PME), para atender às famílias. Esta é uma posição clara do PCP", afirmou.

Na sua intervenção, durante o encerramento da X Assembleia da Organização Regional de Castelo Branco do PCP, Jerónimo de Sousa sublinhou que uma das questões que está na ordem do dia é o "sim ou não" à recapitalização da CGD.

"Nós (PCP) defendemos que o Estado que tanto tem posto a mão por baixo à banca privada, obrigando os portugueses a pagar o desmando dessa banca, nós pensamos que a CGD não só deve ser recapitalizada como fortalecida com o objetivo de se virar para o apoio da nossa economia nacional, dos pequenos e médios empresários e agricultores, de apoio às famílias", defendeu.

O líder comunista abordou também a questão das "ameaças de sanções" patentes nas conclusões da reunião dos comissários da União Europeia (UE), por causa do défice excessivo das contas públicas do país em 2015.

"O que está em curso é uma operação que visa levar ainda mais longe o condicionamento do rumo do país no sentido contrário aos interesses nacionais. O que a Comissão Europeia acaba de afirmar ser necessário corrigir é exatamente o resultado desastroso das políticas que nos impuseram nos últimos anos e, particularmente, nestes anos de pacto de agressão", disse.

O secretário-geral do PCP recordou que, nos últimos anos, cada novo conjunto de "recomendações" da UE serviu sempre "para aumentar a exploração dos trabalhadores e do povo e acabou por agravar mais e mais a situação económica e social do país e a enorme dívida que carrega".

"O que a decisão do colégio de comissários vem comprovar é que a política, as chantagens e as imposições da UE, estão em total confronto que a política que Portugal precisa e de que os trabalhadores e o povo português reclamam", sustentou.

Durante o discurso, Jerónimo de Sousa disse que o país precisa de fazer parar o "ciclo vicioso" de destruição económica e social e adiantou que ou Portugal cria condições para crescer e se desenvolver ou cede à pressão e chantagem da UE.

"O país precisa de remover três grandes constrangimentos e por sua vez, adotar três indispensáveis instrumentos para a resolução deste magno problema nacional. Tem de libertar-se do euro, tem de renegociar a dívida e tem que controlar publicamente a banca para arranjar, respetivamente, a moeda, os recursos e os créditos que lhe financiem o crescimento económico e o desenvolvimento", sublinhou o líder comunista.

A submissão ao euro, a dívida colossal e a dominação monopolista da banca são, segundo o secretário-geral do PCP, três mecanismos de dependência e três veículos de transferência de recursos para o estrangeiro que tanta falta fazem ao país.

"Portugal precisa da sua própria moeda", sustentou.

Jerónimo de Sousa falou ainda dos primeiros meses da fase da nova vida nacional e disse que os resultados ainda estão aquém do que é necessário na resposta às reivindicações e na reposição dos direitos e da melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo.

"Sabemos que as opções do Governo do PS não integram a solução de fundo que, a nosso ver, o país precisa para resolver os graves problemas com que está confrontado, nomeadamente para responder às necessidades do crescimento económico e do emprego, mas não subestimamos nem desprezamos os avanços já conseguidos", concluiu.

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50