sicnot

Perfil

Economia

Greve em França bloqueia plataformas petrolíferas, centrais nucleares e transportes

Os bloqueios dos centros industriais e nas infraestruturas de transportes multiplicaram-se hoje em França, especialmente nas plataformas petrolíferas e centrais nucleares, em ações de protesto contra a reforma laboral.

Bob Edme

A Confederação Geral do Trabalho indicou que a paralisação atinge as 19 centrais nucleares do país -- que geram mais de 75% da eletricidade em França -- mas não supõe que sejam desligados os 58 reatores, antes que sigam a funcionar com uma redução da carga produzida.

O acesso a muitos depósitos petrolíferos continuava hoje ao fim da manhã fechado por piquetes de greve, mesmo depois de as autoridades terem sido chamadas a desbloquear 11 situações nos últimos dias. Aliás, seis das oito refinarias do país encontram-se total ou parcialmente fechadas, segundo a União Francesa de Indústrias Petrolíferas.

Como consequência, segundo o primeiro-ministro, Manuel Valls, entre 20 a 30% das gasolineiras tinham visto esgotar todos os seus combustíveis.

Os piquetes de greve também encerraram ou bloquearam parcialmente o acesso a centros industriais, como a zona portuária de Brest, uma área de fabrico de submarinos nucleares.

Ações semelhantes ocorreram em infraestruturas estratégicas como nas pontes de Normandia e de Tancarville sobre o rio Sena, no aeroporto de Nantes, na linha férrea entre Paris e Brest ou na autoestrada entre Bordéus e Baiona.

Também os controladores aéreos franceses estão em greve, tendo levado ao cancelamento de vários voos.

Esta é a oitava jornada de mobilização convocada pelos sindicatos desde março com o objetivo de exigir a retirada do projeto de lei da reforma laboral, que os sindicalistas acusam de destruir os direitos dos trabalhadores.

A três semanas da abertura do Euro 2016 de futebol, o primeiro-ministro adiantou hoje que o projeto de lei para a reforma laboral será aprovado este verão, insistindo no argumento de que a lei "é boa para as empresas (...), boa para os trabalhadores (...) e boa para os sindicatos".

Sublinhou que está fora de questão "mudar de direção", mas admitiu que possam ocorrer algumas modificações".

Lusa

  • Chamas passaram por cima da A23
    1:06

    País

    A A23 esteve cortada ao longo do dia por causa do fumo e das chamas. Em direto para a SIC Notícias, perto das 18h30, os repórteres da SIC presenciaram o momento em que o fogo passou por cima da autoestrada da Beira Interior.

  • Várias povoações evacuadas no concelho de Nisa

    País

    Várias povoações do concelho de Nisa, no distrito de Portalegre, foram esta quarta-feira à noite evacuadas, devido à ameaça do incêndio que lavra no concelho, disse à agência Lusa a presidente do município, Idalina Trindade.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14