sicnot

Perfil

Economia

Costa considera Programa de Reformas chave contra desequilíbrios macroeconómicos

​O primeiro-ministro, António Costa defendeu hoje na Assembleia da República que, se o Programa Nacional de Reformas for executado, Portugal corrigirá a prazo os seus desequilíbrios macroeconómicos e conseguirá ultrapassar bloqueios estruturais ao seu desenvolvimento.

ANT\303\223NIO COTRIM

Esta posição foi assumida por António Costa na abertura do debate quinzenal, depois de se ter dirigido a todas as bancadas parlamentares para cumprimentar as respetivas direções políticas, designadamente o líder do PSD, Pedro Passos Coelho.

O primeiro-ministro centrou parte da sua intervenção nas consequências de médio prazo do Programa Nacional de Reformas do Governo, salientando para o efeito que a Comissão Europeia, no seu mais recente relatório sobre Portugal, considerou que "revela um grau de ambição suficiente para fazer face aos desequilíbrios excessivos".

"Um programa que, ainda segundo a Comissão Europeia, atende às recomendações para a área do euro com incidência na necessidade de relançar o investimento e garantir a sustentabilidade das finanças públicas", prosseguiu António Costa.

Para o primeiro-ministro, o seu executivo está por isso convicto que, "aplicando na íntegra as medidas inscritas no Programa Nacional de Reformas, Portugal corrigirá os desequilíbrios macroeconómicos e ultrapassará os bloqueios estruturais que têm travado o desenvolvimento do país".

"É isso que estamos a fazer. A pôr em prática o programa que marca a viragem face a uma estratégia errada de competitividade pelo empobrecimento seguida nos últimos anos - com os resultados que todos conhecemos - que assume uma política que coloque o país no caminho do crescimento", disse, aqui procurando traçar uma linha de demarcação face ao anterior executivo.

Sobre a ação do seu Governo nos últimos seis meses, António Costa destacou medidas para a modernização do Estado, como o programa "Simplex+, a valorização das funções de soberania, a promoção do Serviço Nacional de Saúde e da escola pública".

O primeiro-ministro falou ainda na adoção de medidas para a promoção da inovação na economia, dando como exemplo o "Start-Up Portugal", que será lançado na primeira semana de junho.

"Pretendemos estimular o empreendedorismo indispensável para o surgimento de empresas inovadoras, que queremos que estejam na base da diversificação do nosso tecido empresarial, essencial ao crescimento económico sustentável e à criação de emprego qualificado. Estão também já em curso os trabalhos em parceria com os principais setores da economia portuguesa para a elaboração do Programa 'Indústria 4.0', com o qual apoiaremos as empresas a prepararem-se para aproveitar as oportunidades de negócio que vão surgir da nova revolução digital", defendeu o líder do executivo.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro sustentou ainda que o "Plano 100, até 20 de maio, já fez chegar às empresas 183 milhões de euros, de um total de 450 milhões previstos até final do ano".

"A criação da Unidade de Missão para a Capitalização das Empresas, que no próximo dia 16 de junho apresentará um conjunto de medidas para a resolução do problema de financiamento das empresas e o programa de reabilitação urbana", foram outras medidas, segundo António Costa, adotadas pelo seu executivo ao longo dos últimos seis meses.

"Uma política que permitirá cumprir o triplo desígnio de mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade, garantindo uma consolidação saudável e sustentável das nossas finanças públicas", acrescentou.


Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.