sicnot

Perfil

Economia

Governador do Banco de Portugal insiste na tese do "banco mau"

O Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, defende o conceito de "banco mau" como solução para solucionar o peso do crédito malparado dos bancos portugueses, num artigo que vai ser publicado no Jornal de Negócios.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

© Hugo Correia / Reuters

"Não será um banco, uma vez que não receberá depósitos nem concederá crédito", especifica Carlos Costa num artigo de opinião que vai ser publicado na íntegra na edição de terça-feira do Jornal de Negócios, mas a edição de hoje destaca já os aspetos relativos ao "banco mau" defendidos pelo Governador do Banco de Portugal.

Para Carlos Costa, "uma das medidas essenciais para repor a rentabilidade é extrair do balanço os ativos não produtivos através da venda a terceiros ou da transferência para um veículo que assuma a gestão e a recuperação do respetivo valor", insistindo na tese do "banco mau".

Segundo o jornal, Carlos Costa avança com pormenores sobre como poderia funcionar o "banco mau", sendo que um dos "destaques" é a concretização das necessárias garantias associadas: uma nacional e uma europeia, no caso, o Mecanismo Europeu de Estabilidade.

"Na falta de investidores privados e dada a natureza sistémica dos problema dos ativos não produtivos, será necessário um esquema público nacional e europeu que garanta a cobertura das necessidades do capital e que as minimize", afirma o Governador do Banco de Portugal acrescentando que "esse esquema poderá ser uma garantia do soberano e uma contra-garantia do Mecanismo Europeu de Estabilidade".

Nesse sentido, "é necessário negociar com a Comissão Europeia uma isenção ('waiver') em moldes semelhantes à que foi decidida no início da crise do 'subprime', em 2008", explica Carlos Costa.

Segundo explica o Jornal de Negócios, "a inspiração geral" é o modelo italiano que conheceu a concordância de Bruxelas, "mas com possíveis adaptações".

Lusa

  • "Já só lhes resta uma coisa: bisbilhotar comunicações privadas"
    2:57

    Caso CGD

    O primeiro-ministro diz que o PSD atingiu o grau zero da política, quando chegou à "bisbilhotice" de querer ver as mensagens trocadas entre o ministro das Finanças e António Domingues. A polémica da Caixa Geral de Depósitos voltou a marcar o debate quinzenal, com António Costa a garantir que nunca esteve em causa a entrega de declarações da administração. Já o PSD e o CDS a acusaram o Governo de violar as regras da transparência e de oprimir os direitos da oposição.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • Técnica de defesa contra aperto de mão de Donald Trump
    1:39
  • Vídeo mostra aterragem de Harrison Ford que quase causou um desastre

    Mundo

    Harrison Ford quase provocou um grave acidente quando, ao pilotar um dos seus aviões, falhou a pista de aterragem e esteve muito perto de chocar contra um um Boeing 737, com mais de 100 pessoas a bordo. O incidente com o ator norte-americano, considerado um piloto experiente, aconteceu na passada segunda-feira, dia 13, no Condado de Orange, na Califórnia, e o momento foi captado em vídeo.

  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.

  • Vestidos da princesa Diana em exposição
    1:29

    Mundo

    As roupas mais emblemáticas da princesa Diana vão estar em exposição no Palácio de Kensington, em Londres, a partir de sexta-feira. O objetivo é mostrar a evolução do estilo da princesa de Gales, considerada um dos maiores ícones de moda de sempre.