sicnot

Perfil

Economia

Ministro da Economia antevê um ano turístico ainda melhor que os anteriores

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, revelou hoje que os indicadores da procura turística em março foram superiores aos dos anos anteriores e fazem perspetivar um ano ainda melhor ao nível do turismo.

LUSA

"O turismo está a viver um bom momento em Portugal e tudo indica que este ano será ainda melhor, em termos do número de pessoas e de receitas", frisou o governante, em Coimbra, durante um jantar/conferência, no âmbito do 3.º Fórum Turismo Interno, que decorre na cidade até terça-feira.

Segundo Caldeira Cabral, "os dados dos primeiros meses são muito animadores e as reservas para os próximos meses são também bastante animadoras".

Apesar do bom desempenho do turismo português nos últimos anos, o ministro da tutela salientou que é importante garantir que as condições de crescimento com qualidade vão continuar a existir.

"Lançámos à discussão uma estratégia para a próxima década, para manter o crescimento com qualidade, o que só vai acontecer se soubermos continuar a investir na formação para turistas, que são cada vez mais exigentes", sublinhou.

Entre as medidas já adotadas, Caldeira Cabral destacou a aposta nas escolas de turismo e na valorização do património histórico, além do reforço do "peso" da gastronomia, como fator diferenciador para os visitantes, e do enoturismo.

"Estamos a desenvolver um programa interesse de revalorização de espaços históricos para melhorar a oferta turística e estamos também a lançar o Portugal Destino Wi-fi, usando as novas tecnologias para proporcionar aos visitantes melhores experiências e também para que as empresas portuguesas possam ter melhores condições de chegar aos clientes", frisou.

O ministro da Economia defendeu a desconcentração do turismo para combater a sazonalidade, através da realização de eventos, convenções e congressos nas épocas baixas, que podem ajudar a criar mais rendimento e a melhorar as taxas de ocupação.

"No verão, em que está tudo esgotado é difícil melhorar as taxas de ocupação, mas há muitos meses em que a taxa de ocupação fica abaixo do que seria desejável", enfatizou o governante.

Na sua intervenção, acrescentou ainda que o Governo pretende promover também a desconcentração geográfica: "se queremos que as pessoas passem mais tempo em Portugal e voltem, temos de fazer ver que há outro Portugal que ainda não visitaram para além do sol e praia e das grandes cidades".

Ao nível do património histórico, Caldeira Cabral anunciou que a tutela está a desenvolver um "trabalho muito interessante" com o ministério da Cultura para libertar espaços "únicos e bem preservados" para os abrir a ofertas turísticas diferenciadoras, que cativem os turistas para momentos de "excecionalidade".

A iniciativa "Vê Portugal" - 3.º Fórum Turismo Interno", organizada conjuntamente pela Turismo Centro de Portugal e Câmara Municipal de Coimbra, teve início no sábado e encerra na terça-feira no Convento de São Francisco.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.