sicnot

Perfil

Economia

Preço da sardinha e importações disparam em 2015 devido a limites de pesca

A quantidade de sardinha transacionada nas lotas portuguesas foi em 2015 a mais baixa de sempre, enquanto o preço disparou para o valor mais elevado dos últimos 20 anos, com as importações a atingirem o dobro das capturas.

© Nacho Doce / Reuters

Segundo as Estatísticas da Pesca divulgadas hoje pelo INE, as restrições à pesca de sardinha reforçaram, por outro lado, a importância de espécies pouco valorizadas, como a cavala, que foi o peixe mais pescado no ano passado em Portugal, com 46,4 mil toneladas, um terço do total.

As 140,8 mil toneladas de pescado fresco ou refrigerado capturadas pela frota nacional renderam, no mercado de primeira venda, 261 milhões de euros (+5,4% do que em 2014), mas o preço médio do peixe descarregado não foi além dos 1,81% euros por quilo, o mais baixo desde 2012.

Já no caso da sardinha, o preço médio das transações subiu para 2,19 euros, o mais elevado em vinte anos, face à escassa quantidade de peixe vendido em lota (13.729 toneladas, das quais 13.690 no Continente).

Entre 1995 e 2005, as descargas de sardinha variaram a um ritmo médio anual de -8,5%. Nos últimos quatro anos (2012-2015), a quantidade média (cerca de 22 mil toneladas) foi 65,6% inferior à média descarregada entre 2005 e 2011 (64 mil toneladas).

A quota de pesca de sardinha tem vindo a ser reduzida no quadro de um conjunto de medidas adotadas para permitir a recuperação do 'stock' da espécie, que se encontra em dificuldades.

As importações de sardinha fresca e congelada cresceram a um ritmo médio anual de 11,6% em termos de quantidade e 15,9% em valor entre 2010 e 2015, atingindo 35,5 milhões de euros em 2015 e uma quantidade que foi quase o dobro (1,8 vezes) da sardinha capturada e descarregada nos portos do Continente.

Espanha foi o principal fornecedor de sardinha fresca (98%), bem como de sardinha congelada (69,9%), tendo Marrocos ocupado o segundo lugar (23,3%).

Face às limitações de captura da sardinha, a frota tem orientado a atividade pesqueira para outras espécies como a cavala e o carapau, que tiveram acréscimos de 57,5% e 33,7%, respetivamente.

No caso do carapau, os armadores estão ainda longe de esgotar as quotas, já que a fraca valorização da espécie, cujo preço médio tem vindo a cair e fixou-se em 1,01 euros por quilo em 2015, não permite que este peixe se revele como uma verdadeira alternativa à sardinha.

A cavala, cujo preço médio aumentou 2,3% face a 2014, chegou ao mercado da primeira venda a 0,28 euros por quilo, 7,9 vezes abaixo do custo da sardinha.

Lusa

  • O preconceito em relação aos transexuais
    34:09
  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC