sicnot

Perfil

Economia

CMVM proíbe venda a descoberto das ações do BCP na quinta-feira

A CMVM decidiu proibir a venda a descoberto das ações do BCP na quinta-feira, depois de o banco ter encerrado o dia a perder 10,7% na bolsa de Lisboa, atingindo um mínimo histórico de 0,027 euros por ação.

© Hugo Correia / Reuters

Num comunicado enviado após o fecho do mercado, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) informa que decidiu a "proibição temporária de vendas a descoberto das ações representativas do capital social do Banco Comercial Português (BCP) no mercado regulamentado gerido pela Euronext Lisbon (bolsa de Lisboa) (...) com efeitos a partir das 00:00 de 02 de junho de 2016 e até às 23:59 do mesmo dia".

Para tomar esta decisão, o supervisor teve em conta a desvalorização das ações do banco na sessão de hoje, considerando que "a flutuação do preço das ações em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo".

A Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA, na sigla inglesa) será notificada desta decisão do regulador português.

O jornal de Negócios noticiou hoje que "o BCP entrou mesmo na corrida à compra do Novo Banco", adiantando que a entidade liderada por Nuno Amado "é uma das instituições que está a passar a pente fino a informação detalhada sobre o banco de transição".

Lusa

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.