sicnot

Perfil

Economia

Leonor Beleza e Rui Vilar a caminho da administração da CGD

Os ex-ministros Leonor Beleza e Rui Vilar foram convidados para integrar o novo Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), liderado por António Domingues, confirmou hoje à Lusa fonte do Governo.

presidente da Fundação Champalimaud

presidente da Fundação Champalimaud

LUSA

Fonte próxima de Leonor Beleza confirmou à Lusa que a presidente da Fundação Champalimaud e antiga ministra da Saúde aceitou o cargo na CGD, realçando tratar-se de um "lugar não remunerado".

Contactada pela Lusa, fonte próxima de Rui Vilar confirmou que o antigo ministro dos Transportes e Comunicações num dos governos de Mário Soares já foi abordado para o cargo de vice-presidente não executivo da CGD, mas sublinhou que até ao momento ainda não há uma decisão definitiva.

A mesma fonte adiantou que se aguarda a verificação de um conjunto de condições indispensáveis para que este cenário se concretize.

Na sexta-feira, o Jornal de Negócios noticiou que o Governo de António Costa já tem praticamente fechada a nova equipa de gestão da CGD, que vai ter 19 pessoas, revelando que não fica nenhum elemento da atual equipa.

O futuro líder do banco público, António Domingues, vai contar com Leonor Beleza e Rui Vilar como vice-presidentes, com cargos não executivos.

Quanto à comissão executiva, além de António Domingues (antigo administrador financeiro do Banco BPI), vai contar com seis membros, um dos quais é Emídio Pinheiro - presidente do Banco de Fomento Angola (BFA), que é controlado pelo BPI.

Além disso, a nova equipa deverá contar com 12 administradores não executivos, entre eles, Pedro Norton, ex-CEO do grupo Impresa e Bernardo Trindade, antigo secretário de Estado do Turismo no Governo de José Sócrates, segundo avançou o jornal.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão