sicnot

Perfil

Economia

Primeiro-ministro francês anuncia cedências ao setor ferroviário para interromper greve

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, anunciou hoje um pacote de concessões ao setor ferroviário, em particular à empresa estatal SNCF, para tentar terminar com uma vaga de greves no setor, que prosseguem na quinta-feira pelo nono dia consecutivo.

© Philippe Wojazer / Reuters

No decurso de uma audiência parlamentar, Valls revelou um conjunto de medidas, em particular uma verba de 90 milhões de euros para reduzir as portagens pagas pelos comboios de mercadorias e um aumento das propostas orçamentais para modernizar as infraestruturas.

Em 2017 prevê-se que o Estado conceda 100 milhões de euros suplementares para a renovação da rede ferroviária, e que segundo as projeções deverá atingir os 500 milhões de euros suplementares anuais em 2020.

Globalmente, precisou o primeiro-ministro francês, passará dos 2.500 milhões de euros anuais destinados à modernização das vias ferroviárias e outras infraestruturas para os 3.000 milhões em 2020, que garantiu igualmente as subvenções do Executivo para manter "o atual equilíbrio económico" na exploração das linhas subvencionadas.

Manuel Valls não se comprometeu com uma das principais reivindicações da Sociedade nacional de caminhos-de-ferro (SNCF), que pretende que o Estado assuma uma parte da dívida, que ultrapassa os 50.000 milhões de euros.

No entanto, afirmou que o Executivo apresentará perante o parlamento em agosto um relatório sobre a forma de assumir "uma parte ou a totalidade dessa dívida".

As propostas de Valls destinam-se a retirar argumentos aos três sindicatos da SNCF (CGT, Sud Rail e FO), que mantêm uma greve ilimitada iniciada a 31 de maio apesar da proposta negociada para um novo acordo de empresa sobre o horário de trabalho e que praticamente garante as atuais condições.

As diversas assembleias gerais que decorreram hoje decidiram prolongar as paralisações, que segundo a agência noticiosa France-Presse têm uma adesão muito reduzida (cerca de 8,5%), mas que forçaram a empresa a cancelar em algumas linhas cerca de metade dos comboios habituais.

Os protestos da SNCF constituem o principal desafio, mas não o único, que o Governo enfrenta no terreno social, na sequência da contestada reforma laboral que pretende aplicar, e nas vésperas do Campeonato da Europa de futebol (Euro 2016) que se inicia sexta-feira em França.

Os pilotos da Air France convocaram uma greve entre 11 e 14 de junho, e para esta tarde estava prevista uma reunião entre as partes, enquanto prossegue a paralisação de alguns dos principais centros de recolha de resíduos urbanos na região de Paris e Marselha.

Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.