sicnot

Perfil

Economia

Previsões de crescimento do PIB e descida do desemprego para 2016

O Banco Central Europeu divulgou na quinta-feira as previsões do Eurosistema até 2018, que prevê para Portugal, em 2016, um crescimento de 1,3%, uma inflação de 0,7% e um desemprego de 11,9%.

O Eurosistema, que junta o Banco Central Europeu e os bancos nacionais dos países que adotaram o euro, faz assim sua a previsão de crescimento que o Banco de Portugal divulgou no passado dia 08, quando publicou o boletim económico de junho.

Estes valores comparam também com os 1,8% que o Governo inscreveu no Orçamento do Estado para 2016 e manteve no Programa de Estabilidade 2016-2020, apresentado em abril último, os 1,5% avançados pela Comissão Europeia e os 1,4% previstos pelo Fundo Monetário Internacional.

A evolução da taxa de desemprego é descendente ao longo do período considerado, passando dos 12,4% de 2015, para 10,7% em 2018, depois de previsivelmente atingir os 11,3% em 2017.

O Eurosistema assumiu também as previsões do boletim económico relativamente ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos anos. Assim, depois dos 1,3% esperados para este ano (contra os 1,5% previstos em março), é esperado um crescimento do PIB de 1,6% em 2017 (abaixo dos 1,7% antecipados há três meses) e 1,5% em 2018 (contra os 1,6% anteriormente projetados).

Estas previsões são mais pessimistas do que as do Governo, que em abril antecipou que o PIB cresceria 1,8% este ano e no próximo, acelerando o ritmo de crescimento ligeiramente nos anos seguintes, para 1,9% em 2018 e 2,0% em 2020.

Entretanto, em 31 de maio, o Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu em alta o crescimento da economia no primeiro trimestre, com o PIB a crescer 0,9% em termos homólogos e 0,2% face ao trimestre anterior.

Ao longo do período considerado, ainda segundo o Eurosistema, a economia portuguesa deve continuar porém a divergir com a média da zona euro. Com efeito, os crescimentos comparados indicam sempre taxas médias superiores em relação às de Portugal, com 1,6% em 2016, repetindo 2015, e 1,7% em 2017 e 2018.

Por outro lado, a relativa melhoria da economia esperada para 2017 e 2018, com os mencionados crescimentos mais fortes do PIB e a esperada descida da taxa de desemprego, justifica a aguardada aceleração da taxa de inflação, que dos 0,5% de 2015 deve passar para 1,5% em 2018, depois de registar 0,7% em 2016 e 1,4% em 2017.

Portugal parece assim evitar o perigo da deflação, à semelhança da zona euro, que apresentou em 2015 uma média de zero por cento na variação dos preços no consumidor e sete Estados onde os preços apresentaram uma variação negativa.

Para o ano em curso, a média prevista é de 0,2%, saltando depois para 1,3% em 2017 e 1,6% em 2018.

Na vertente do desemprego, a descida esperada da taxa será mais acentuada em Portugal, uma vez que os valores médios da Zona Euro, depois dos 10,9% de 2015, devem ser de 10,2% no ano em curso, de 9,9% em 2017 e 9,5% em 2018.


Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.