sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal não se pode isolar do resto do país

O ministro das Finanças disse hoje que o Banco de Portugal não pode exercer as suas funções à margem do que se passa na economia e na sociedade e avisou os bancos que vêm aí mais exigências de regulação.

PEDRO NUNES

"O Banco de Portugal desempenha o papel de autoridade monetária e goza de um estatuto de independência. Esta independência constitui um direito, mas esse direito tem de ser exercido como dever, os bancos centrais não se podem tornar entidades isoladas do resto da comunidade", disse hoje Mário Centeno, em Lisboa, na tomada de posse de Elisa Ferreira e Luís Máximo dos Santos como administradores do Banco de Portugal.

A ideia de que a entidade liderada por Carlos Costa não se pode isolar foi repetida no final da intervenção, recuperando o nome do livro de José Saramago: "Não há instituições que se possam interpretar a si próprias como jangadas de pedra", afirmou o governante.

Ainda neste discurso, o ministro das Finanças referiu os vários papéis que cabem ao Banco de Portugal, com destaque para as funções como supervisor e regulador bancário, sublinhando que é necessário que essa supervisão "seja preventiva, proativa e atuante".

O responsável pela pasta das Finanças falou novamente na necessidade de repensar a arquitetura do sistema de regulação financeiro, referindo que é preciso fazer "os melhoramentos necessários para que dê uma resposta cabal aos desafios que a sociedade e a economia portuguesa lhe colocam".

"Esse sistema deve ser visto como parte da solução e não do problema", reiterou, criticando ainda a "inação" dos últimos anos que "trouxe dificuldades ao setor financeiro".

Numa tomada de posse em que estavam presentes os principais presidentes dos bancos a operar em Portugal, Mário Centeno avisou também que a regulação "vai tornar-se ainda mais exigente no futuro".

Quanto aos novos administradores do Banco de Portugal, Elisa Ferreira e Máximo dos Santos, Mário Centeno referiu a sua "elevada qualidade técnica e humana" e deixou a sua confiança de que irão "continuar e até acelerar o processo ajustamento já iniciado e não totalmente finalizado no Banco de Portugal".

Elisa Ferreira e Luís Máximo dos Santos vão reforçar o Conselho de Administração do Banco de Portugal liderado por Carlos Costa, o governador.

Com doutoramento na área de economia, Elisa Ferreira é professora na Universidade do Porto, foi ministra do Ambiente e do Planeamento entre 1995 e 2002 e é desde 2004 eurodeputada, tendo trabalhado nos últimos anos temas como a União Bancária e o mecanismo de resolução bancária.

Já Luís Máximo dos Santos é advogado, tendo trabalhado como jurista em várias funções do Estado, nomeadamente no Banco de Portugal. Além de estar de momento a liderar o 'banco mau' BES, é desde 2010 presidente da Comissão Liquidatária do Banco Privado Português (BPP).

O governador do Banco de Portugal esteve presente nesta tomada de posse, mas não fez discurso nem prestou declarações aos jornalistas.

Lusa

  • Centeno apela a uma intervenção mais preventiva e pró-ativa do Banco de Portugal
    0:56

    Economia

    Tomaram posse, esta tarde, os dois novos administradores do Banco de Portugal. Elisa Ferreira e Máximo dos Santos integram a partir de agora o Conselho de Administração do banco central. A até agora eurodeputada socialista e o até aqui Presidente do Banco Espírito Santo, foram aprovados por unanimidade pelos deputados da Assembleia da República, depois de terem sido ouvidos na Comissão de Orçamento e Finanças. Na cerimónia desta tarde, o ministro Mário Centeno apelou a uma intervenção mais preventiva e pró-ativa do Banco de Portugal, para que se melhore a supervisão bancária.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.