sicnot

Perfil

Economia

Presidentes da China e Polónia saúdam ligação ferroviária entre os dois países

O Presidente da China, Xi Jinping, e o seu homólogo polaco, Andrzej Duda, saudaram na segunda-feira a chegada a Varsóvia de um comboio de mercadorias chinês, simbolizando o reforço da cooperação económica entre os dois países.

Xi Jinping e Andrzej Duda.

Xi Jinping e Andrzej Duda.

© Agencja Gazeta / Reuters

Os dois estadistas assistiram lado a lado ao fim da travessia de 13 dias do China Railway Express, que partiu de Chengdu, capital da província de Sichuan, no sudoeste da China.

Cerca de 20 comboios de mercadorias fazem semanalmente a viagem entre a China e a Polónia, transportado produtos eletrónicos, alimentos, bebidas alcoólicas e peças para automóveis.

Lançada em 2013, a viagem demora entre 11 e 14 dias, uma fração do tempo despendido pelo transporte marítimo, que é feito entre 40 e 50 dias.

Trata-se de uma das mais extensas ligações ferroviárias do mundo e faz parte da iniciativa chinesa "nova Rota da Seda".

Trata-se de um gigante plano de infraestruturas que pretende reativar a antiga Rota da Seda entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e sudeste asiático.

Especialistas consideram que Varsóvia quer utilizar a ligação para corrigir um crónico desequilibro na balança comercial, reforçando as exportações de produtos agrícolas, como leite, carne e maçãs.

A Polónia é o maior parceiro comercial da China no leste da Europa e, em 2015, as trocas comerciais somaram 15,2 mil milhões de euros, segundo dados oficiais chineses.

Xi e Duda mastigavam também uma rosada maçã polaca, à medida que o comboio chegava.

A Polónia, um dos maiores produtores de maçãs da União Europeia, tem sido gravemente afetada pela decisão da Rússia de proibir a importação de frutas do país, como retaliação às sanções impostas pela União Europeia a Moscovo, em 2014, devido à crise na Ucrânia.

Os acordos assinados durante a visita de Xi permitem ao país começar a exportar maçãs para a China.

Xi Jinping urgiu ainda a Polónia a "tirar máximo proveito da sua posição como membro fundador do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas" (BAAI).

Visto inicialmente em Washington como um concorrente ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), duas instituições sediadas nos EUA e habitualmente lideradas por norte-americanos e europeus, o BAAI acabou por suscitar a adesão de mais de vinte países fora da Ásia, incluindo Portugal.

Das grandes economias mundiais, apenas os EUA e o Japão ficaram de fora.

Referindo-se ao BAAI como o "maior fundo de investimentos do mundo", o vice primeiro-ministro da Polónia, Mateusz Morawiecki, disse aos jornalistas que Varsóvia está a discutir "investimentos enormes" com Pequim.

"É ainda cedo para dizer que chegamos a algum tipo de conclusão", afirmou, revelando apenas que estão envolvidos "milhares de milhões".

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.