sicnot

Perfil

Economia

Cancelados 23 voos de e para aeroportos franceses

Vinte e três voos com destino e partidas dos aeroportos franceses foram hoje cancelados devido à greve dos controladores aéreos em França, segundo informação disponível na página da ANA - Aeroportos de Portugal na Internet.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com a ANA, foram cancelados cinco voos da Ryanair, Easyjet Airlines e Vueling com partida do aeroporto de Lisboa e destino a Paris, Lyon, Marselha e Londres.

Também estão cancelados quatro voos da Easyjet e Vueling a partir de Lyon, Paris e Londres com destino a Lisboa.

Já no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, estão cancelados seis voos da Ryaniar com partida dali e destino a Poitires, Lorient, Dole, Bordéus, La Rochelle e Marselha, em França.

Estão também cancelados outros seis voos da Ryanair provientes de Lorient, Poitiers, Bordéus, Dole, la Rochelle e Marselha com destino ao Porto.

No aeroporto de Faro estão cancelados dois voos de e para Paris-Beauvais.

A Ryanair anunciou na segunda-feira que foi "forçada" a cancelar 166 voos que deveriam realizar-se a partir de França e para aquele país, devido à greve dos controladores aéreos franceses.

Em comunicado, a companhia aérea lamenta o sucedido e indica que "30 mil clientes Ryanair terão os seus voos cancelados e mais de 100 mil clientes irão experienciar severos atrasos dos seus voos, consequência desta greve, a 12.ª em 13 semanas".

Entretanto, e de acordo com a mesma nota, a companhia aérea 'low cost' (baixo custo) apelou à Comissão Europeia para que sejam tomadas "medidas imediatas que evitem que milhares de cidadãos europeus tenham os seus voos cancelados ou atrasados devido às greves contínuas de pequenos sindicatos de Controladores de Tráfego Aéreo (CTA)".

Os sindicatos dos controladores aéreos franceses convocaram para a hoje a 12.ª greve em 13 semanas.

A Usac-CGT, principal sindicato da aviação civil, refere que esta greve reclama a retirada total da reforma laboral, contestada desde meados de fevereiro.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.