sicnot

Perfil

Economia

Jordi Gual é o novo presidente do CaixaBank

O economista Jordi Gual, responsável pelo departamento de estudos do banco espanhol CaixaBank, que lançou uma OPA sobre o BPI, será o novo presidente daquela instituição, segundo a imprensa espanhola.

© Sergio Perez / Reuters

Jordi Gual deverá substituir Isidro Fainé no cargo institucional de presidente do banco, devendo a decisão ser formalmente tomada numa reunião do conselho de administração do CaixaBank prevista para esta quinta-feira.

Isidro Fainé continuará a ocupar um lugar decisivo, ao presidir à Fundação Bancária La Caixa, o maior acionista do CaixaBank.

Esta solução foi encontrada para ultrapassar uma lei de 2010, que obriga Fainé, assim como o resto dos presidentes das caixas de aforro, a escolherem entre governar o banco ou as suas fundações.

A data limite para esta decisão é 01 de julho, sexta-feira.

O Caixabank lançou em abril uma OPA (oferta pública de aquisição) sobre o BPI, depois de o banco espanhol não ter conseguido chegar a entendimento com a angolana Santoro (empresa de Isabel dos Santos e segunda maior acionista do banco, com 18,58%) sobre uma solução para o banco e sobretudo para a redução da exposição a Angola, onde o BPI tem o Banco Fomento de Angola (BFA).

Na OPA, o banco espanhol oferece 1,113 euros por ação e a operação está condicionada à eliminação dos estatutos de bloqueio na entidade financeira portuguesa, que impedem um acionista como o CaixaBank, que tem quase 45% das ações do banco, de ter um poder de voto superior a 20%.

Lusa

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.