sicnot

Perfil

Economia

Tribunal da UE confirma ilegalidade de cláusula de não concorrência entre PT e Telefónica

O Tribunal Geral da UE confirmou hoje a ilegalidade da cláusula de não concorrência entre a antiga PT SGPS (atual Pharol) e a Telefónica, no âmbito da venda da brasileira Vivo pela ex-PT à operadora espanhola.

A Pharol é a antiga PT SGPS. (Arquivo)

A Pharol é a antiga PT SGPS. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

No entanto, os acórdãos hoje proferidos pelo Tribunal Geral da União Europeia (UE), no Luxemburgo, estabelecem também que a Comissão Europeia deverá pronunciar-se de novo sobre a fixação do valor das coimas aplicadas às duas empresas, de cerca de 66,9 milhões de euros e cerca de 12,3 milhões de euros, respetivamente, voltando a determinar as vendas das duas operadoras que estejam relacionadas "direta ou indiretamente com a infração".

Em 2010, a PT e a Telefónica celebraram um acordo de compra de ações que visava o controlo exclusivo da operadora móvel Vivo pela Telefónica, onde inseriram uma cláusula de não concorrência, a ser aplicada entre 27 de setembro de 2010 (data da conclusão definitiva da transação) e 31 de dezembro de 2011.

Mas depois de alertada sobre a existência desta cláusula pela Autoridade da Concorrência espanhola, a Comissão Europeia deu início em janeiro de 2011 a um procedimento contra a Telefónica e a PT, o que levou as duas operadoras a assinarem no mês seguinte um acordo que visava suprimir esta cláusula.

Contudo, numa decisão de 2013, a Comissão Europeia considerou que a cláusula equivalia "a um acordo de partilha de mercado com o objeto de restringir a concorrência no mercado interno" e aplicou à Telefónica e à PT as coimas de 66.894.000 euros e 12.290.000 euros.

A Comissão concluiu que a cláusula abrangia todos os mercados de serviços de comunicações eletrónicas e de televisão em Espanha e Portugal, excetuando os mercados de serviços globais de telecomunicações e dos serviços grossistas de transporte internacional, e "era suscetível de atrasar o processo de integração no mercado do setor das comunicações eletrónicas".

A antiga PT SGPS e a Telefónica recorreram e pediram então ao Tribunal Geral da UE a anulação da decisão da Comissão e a redução do valor das coimas aplicadas, alegando nomeadamente a necessidade "de excluir do cálculo da coima o volume das vendas realizadas nos mercados ou com serviços não sujeitos a uma concorrência potencial" e logo "não abrangidas pelo âmbito de aplicação da cláusula".

As duas operadoras contestaram ainda que "a cláusula constitua uma restrição da concorrência por objeto", já que consideram que a Comissão "não demonstrou que a Telefónica e a PT eram concorrentes potenciais" e ainda que "a cláusula era, portanto, suscetível de restringir a concorrência".

Hoje, o Tribunal Geral, através dos acórdãos proferidos, nega provimento aos recursos da antiga PT SGPS e da Telefónica. Refere que, tendo em conta que a própria existência da cláusula é um forte indício de uma concorrência potencial entre a PT e a Telefónica - que o seu objeto consistia num acordo de partilha de mercados, que tinha um âmbito de aplicação alargado e que se inseria num contexto económico liberalizado -, "a Comissão não estava obrigada, como afirmam a PT e a Telefónica, a proceder a uma análise pormenorizada da estrutura dos mercados em causa e da concorrência potencial entre as sociedades nesses mercados, a fim de concluir que a cláusula constituía uma restrição da concorrência por objeto".

Mas define também que a Comissão "deverá determinar novamente as vendas relacionadas direta ou indiretamente com a infração para o cálculo do montante das coimas", declarando que as vendas de uma empresa correspondentes a atividades que não possam ser consideradas como estando em concorrência com a outra operadora, no período de aplicação da cláusula, "devem ser excluídas para efeitos do cálculo da coima".

"Assim, para determinar o valor das vendas das sociedades a tomar em consideração para o cálculo do montante das coimas, a Comissão deveria ter examinando os argumentos da PT e da Telefónica destinados demonstrar a inexistência de concorrência potencial entre elas relativamente a determinados serviços", explica.

O Tribunal reforça ainda que "só com base nessa análise factual e jurídica é que teria sido possível determinar o valor das vendas relacionadas direta ou indiretamente com a infração", valor que deveria ter servido de montante de partida para o cálculo do montante de base da coima.

A cláusula em causa estabelecia que "na medida do permitido por lei, as partes abster-se-ão de participar ou investir, direta ou indiretamente através de qualquer filial, em qualquer projeto no setor das telecomunicações" (... excluindo apenas qualquer investimento e atividade detidos ou realizados à data do presente acordo) que possa ser considerado como estando em concorrência com a outra parte no mercado ibérico".

A Comissão considerou que o processo de integração no mercado do setor das comunicações eletrónicas sairia "gravemente" prejudicado se operadores históricos, como a Telefónica e a PT, "pudessem reforçar o seu já muito forte poder de mercado através de uma colusão, no sentido de proteger os seus mercados nacionais e de evitar a entrada de outros operadores nestes últimos".

Durante todo este processo, a PT sustentou, que a cláusula continha duas obrigações distintas -- uma obrigação principal de autoavaliação e uma obrigação secundária de não concorrência, sendo que a segunda só se tornava vinculativa se a sua legalidade fosse declarada quando do exercício da primeira.

Por sua vez, a Telefónica alega designadamente que a cláusula foi imposta pelo Governo português ou que era, em todo o caso, necessária para que este não bloqueasse o acordo relativo à transação da Vivo.

  • Negócio com a PT sob suspeita
    1:23

    País

    O Ministério Público está a investigar um negócio entre a Portugal Telecom, a espanhola Telefonica e as brasileiras Vivo e Oi. Em causa estarão movimentos financeiros suspeitos entre gestores e governantes portugueses e brasileiros.

  • PGR confirma investigação relacionada com a PT

    País

    A Procuradoria-Geral da República confirma que estão em curso investigações relacionadas com a Portugal Telecom. Em causa estará o possível envolvimento político na venda de parte da Vivo à espanhola Telefónica e a posterior compra das ações da brasileira Oi pela empresa de telecomunicações portuguesa.

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16