sicnot

Perfil

Economia

Sindicatos da CGTP convocam greve nacional na saúde para 28 julho

Sindicatos da CGTP convocam greve nacional na saúde para 28 julho

Os sindicatos da Função Pública afetos à CGTP convocaram uma greve nacional dos trabalhadores da saúde para o dia 28 deste mês.Uma das razões prende-se com a lei das 35 horas semanais que hoje entrou em vigor - mas que não vai abranger todos os profissionais do setor.

"A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas (FNSTFP) decidiu convocar para o próximo dia 28 de julho, em convergência com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, uma greve nacional dos trabalhadores da saúde, para exigir a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho que contemple as 35 horas semanais de trabalho, o pagamento de todo o trabalho extraordinário pelas percentagens originais e a admissão de pessoal", anunciou hoje a coordenadora da entidade, Ana Avoila, em conferência de imprensa, em Lisboa.

O anúncio da greve surge depois de a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e a Comissão Negociadora dos Hospitais EPE, indicadas pelo Governo para conduzir as negociações com os sindicatos, não só não terem apresentado a documentação que tinha sido exigida, como terem desconvocado uma reunião acordada para a última quinta-feira (30 de junho).

Para definir um instrumento coletivo de trabalho, a federação alertou o Ministério da Saúde e encontrou-se com a ACSS a 20 de junho, tendo ficado definido que seriam enviadas até dia 23 de junho as cláusulas desse acordo coletivo.

"No dia 23 nada chegou. A 28 nada chegou. E no dia 29, véspera da reunião que tinha ficado agendada para 30 de junho, recebemos uma comunicação a dizer que a reunião ficava sem marcação e que não nos iam fazer chegar tão pouco a contraproposta de contrato coletivo", explicou Luís Pesca, dirigente da FNSTFP.

"Isto demonstra da parte do Ministério da Saúde um ato de má-fé negocial, de uma mentira, de um rompimento de um compromisso assumido com esta federação, mas também assumido com os trabalhadores. Por isso, e não havendo resposta, nem havendo qualquer data indicativa de uma próxima reunião ou data para nos fazerem chegar a proposta de contrato coletivo, nós decidimos convocar a greve", sublinhou.

Em causa está também a falta de pessoal nos serviços e o não-pagamento do trabalho extraordinário sem cortes.

"Aquilo que o Ministério contrapropõe aos trabalhadores é uma bolsa de horas. Isto significa que se não houver contratação de recursos humanos, que permitam que essas pessoas possam fazer as pausas e os descansos das horas trabalhadas a mais, estamos a falar do que tem acontecido nos últimos anos, são centenas de dias e feriados que não são pagos, e não são tão pouco gozados", acrescentou Luís Pesca.

Nesse sentido, a FNSTFP exige "uma política séria de contratação de novos efetivos", que os horários de trabalho "possam ser efetivamente de 35 horas" e que o pagamento do trabalho extraordinário nos valores originais, "tal e qual como o ministro prometeu que iria fazer para os médicos", disse.

O dirigente terminou considerando que "não pode haver tratamento diferenciado, nem para horários nem para pagamento de vencimentos".

Com Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50