sicnot

Perfil

Economia

Eventuais sanções devem ser aplicadas "com inteligência" e sem "vontade punitiva"

O comissário europeu dos Assuntos Económicos disse hoje que eventuais sanções a Portugal e Espanha por défice excessivo em 2015 terão que ser aplicadas "com inteligência", "sem vontade punitiva" e considerando "a situação económica desses países".

Pierre Moscovici, comissário europeu dos Assuntos Económicos

Pierre Moscovici, comissário europeu dos Assuntos Económicos

© Rafael Marchante / Reuters

Pierre Moscovici, numa entrevista à emissora francesa Radio Classique, citada pela agência noticiosa Efe, sublinhou que a questão de Portugal e Espanha irá ser examinada hoje à tarde pela Comissão Europeia, em Estrasburgo, (França) e garantiu que ele, enquanto responsável económico e financeiro, irá encarregar-se do "respeito pelas regras".

O comissário europeu dos Assuntos Económicos sublinhou que essas regras "são inteligentes, não são punitivas e devem ter em conta a situação económica" destes países.

Perguntado sobre caso de França, Pierre Moscovici recordou que esse país, no passado, beneficiou, em duas ocasiões, dos mecanismos de flexibilidade para incumprir os objetivos iniciais do défice e que, para 2017, "imperativamente, deve respeitar a meta" de se manter abaixo dos 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

"França deve estar, e estará, abaixo dos 3%", comentou o ministro das Finanças francês, Michel Sapin, após recordar que o Presidente François Hollande reafirmou esse compromisso, na semana passada.

Acrescentou que não existem "razões para não confiar" nesse objetivo, mas também que, em outubro, irá examinar o pressuposto para 2017, apresentado pelo Governo francês.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.