sicnot

Perfil

Economia

Venezuela envia dados ao FMI pela primeira vez em 12 anos

O Governo da Venezuela enviou os indicadores macroeconómicos sobre o país ao Fundo Monetário Internacional (FMI) após 12 anos de silêncio, informou a imprensa venezuelana na segunda-feira.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo o diário El Universal, citado pelo La Razón, o FMI solicitou na semana passada os números oficiais e o Governo de Nicolás Maduro aceitou fornecê-los.

Isto não acontecia desde 2004, quando o falecido Presidente Hugo Chávez mandou encerrar os escritórios do FMI na Venezuela e advogou, embora sem uma decisão firme, a saída do país da organização multilateral.

Nem o Banco Central da Venezuela nem o FMI se pronunciaram sobre a decisão do Governo venezuelano.

No início do ano, o Banco Central da Venezuela revelou que a inflação acumulada rondava os 180,9% e que o Produto Interno Bruto (PIB) se contraiu em 5,7% em 2015.

O deputado da Mesa da Unidade Democrática (oposição) e presidente da Comissão de Finanças, Alfonso Marquina, disse ao La Razón que a entrega de dados é uma reação desesperada de Maduro ao sentir-se asfixiado pela pressão interna e internacional.

"Pode ser um esforço para conseguir financiamento por essa via. A vantagem é que é um passo para acabar com a opacidade e falta de informação existente na economia da Venezuela e que faz com que estejamos no meio da incerteza", disse o deputado.

Lusa

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC