sicnot

Perfil

Economia

OCDE prevê regresso da taxa de emprego aos níveis "pré-crise" em 2017

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Economico (OCDE) estima que a taxa de emprego regresse em 2017 a níveis "pré-crise", defendendo que os países devem melhorar a qualidade do emprego e a desigualdade de oportunidades.

© Jon Nazca / Reuters (Arquivo)

De acordo com o relatório Perspetivas do Emprego 2016, divulgado hoje, a economia global está "presa numa ratoeira de baixo crescimento", por isso será necessário que os países apostem na melhoria das qualificações dos seus trabalhadores e em reformas estruturais que impulsionem a produtividade "para suportar a criação de emprego, a satisfação no trabalho e a melhoria das condições de vida".

A média da OCDE para a taxa de emprego de pessoas entre os 15 e os 74 anos situou-se em 60,2% no quarto trimestre de 2015 e espera-se que alcance um nível à volta dos 60,8% no final deste ano, o que foi registado entre outubro a dezembro de 2007, e 61% em 2017.

Segundo a OCDE, há países que já ultrapassaram os níveis pré-crise em termos de emprego (Chile, Alemanha e Turquia), enquanto o intervalo entre as perspetivas para 2017 e o final de 2007 permanece elevado em alguns países europeus, nomeadamente Grécia, Irlanda e Espanha.

Em todo o caso, a OCDE diz que dois terços dos seus 34 membros deverão recuperar essas taxas pré-crise.

Portugal será um dos países que ainda não conseguirá chegar aos níveis de 2007 no próximo ano, uma vez que a taxa de emprego no país se situava nesse ano nos 63,5% (acima da média da OCDE) e em 2017, a organização estima que se situe nos 58,7%.

Relativamente à taxa de desemprego, no último trimestre de 2007, Portugal apresentava uma taxa de 7,8% e em 2017 a OCDE estima que o valor da taxa no país se situe nos 11,3%.

O desemprego médio entre os membros da OCDE situa-se atualmente nos 6,5% e a organização estima que alcance os 6,1% no próximo ano, acima dos 5,6% registados no último trimestre de 2015.

Segundo a OCDE, um em cada três desempregados era de longa duração (mais de um ano sem trabalhar) no final de 2015, o que implica mais 54,5% do que em 2007.

A média do desemprego entre os jovens, que é um dos assuntos que tem preocupado a OCDE, era de 13,4%, quatro pontos abaixo do pior nível pós-crise mas acima dos 12,1% do valor de 2007.

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.