sicnot

Perfil

Economia

Portugal vai sair em 2016 do procedimento por défice excessivo, garante PM

Portugal vai sair em 2016 do procedimento por défice excessivo, garante PM

António Costa garante que a execução orçamental está dentro do previsto e diz que Portugal vai sair do procedimento por défice excessivo ainda este ano.

António Costa reafirmou esta posição na sua intervenção inicial do debate sobre o "Estado da Nação", na Assembleia da República, já na parte final de um discurso com cerca de 20 páginas.

Sem qualquer referência direta à possibilidade de Portugal ser alvo de sanções por parte da Comissão Europeia, o líder do executivo argumentou que "a própria Comissão Europeia reconhece que a execução orçamental está em linha com o previsto".

"De acordo com o INE [Instituto Nacional de Estatística], o saldo das administrações públicas no primeiro trimestre de 2016 reduziu-se face ao período homólogo de menos 5,5% para menos 3,2% do PIB [Produto Interno Bruto], sendo o défice orçamental do primeiro trimestre mais baixo desde 2008. Estes dados são confirmados pela execução orçamental entre janeiro e maio e, por isso, reforçam a nossa confiança de que este é o rumo que nos levará, já este ano, a sair do procedimento por défice excessivo", sustentou o primeiro-ministro.

Neste contexto, António Costa reiterou a tese de que o cumprimento dos compromissos externos de Portugal se fará "sem planos B, sem medidas adicionais, mas, e só, agindo com determinação rigor".

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão