sicnot

Perfil

Economia

Juncker quer avaliar se Portugal consegue voltar ao "caminho certo"

O presidente da Comissão Europeia afirmou que, antes de multar Portugal e Espanha por incumprimento do défice, vai ouvir os dois governos para determinar a "vontade e capacidade" de conseguir que as economias voltem ao "caminho certo".

© Vincent Kessler / Reuters

"O Pacto [de Estabilidade] permite ter em conta as previsões positivas ao sancionar violações anteriores", afirmou Jean Claude Juncker numa entrevista ao semanário alemão Der Spiegel.

Na quinta-feira, a Comissão Europeia lançou processos de sanções a Portugal e Espanha, ao concluir que os dois países não tomaram "medidas eficazes" para corrigir os seus défices excessivos, passando a palavra aos ministros das Finanças da União Europeia.

O Ecofin pronuncia-se na próxima terça-feira sobre os processos de sanções aos dois países.

Caso o Conselho de Ministros, dos Estados-membros, confirme o parecer da Comissão Europeia, esta terá um prazo de 20 dias, a partir de terça-feira, para recomendar o montante da multa a aplicar, que pode ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.