sicnot

Perfil

Economia

Presidente do Eurogrupo fala na necessidade de mais medidas para evitar sanções

Presidente do Eurogrupo fala na necessidade de mais medidas para evitar sanções

O Presidente do Eurogrupo diz que aplicar "sanção zero" a Portugal é uma possibilidade, dependendo do que o Governo fizer nos próximos tempos e fala na necessidade de mais medidas. Os ministros da Finanças da moeda única estão hoje reunidos em Bruxelas e vão discutir a recomendação da Comissão que concluiu que Portugal e Espanha falharam nos esforços para corrigir o défice.

"Só vamos decidir se Portugal e Espanha tomaram medidas inadequadas, se não fizeram aquilo com que se comprometeram" para manter as finanças públicas em ordem, disse Dijsselbloem, à entrada para a reunião do Eurogrupo.

O presidente do Eurogrupo considerou que "serão necessárias" mais medidas, referindo que Lisboa e Madrid têm que informar "sobre o que irão fazer este ano e nos próximos para resolver o problema", referindo-se às "questões orçamentais que têm de ser resolvidas".

"A decisão formal é no Ecofin", na terça-feira, salientou, reiterando que "a Comissão só nos pede que concordemos que até agora não foram tomadas medidas eficazes".

"A questão das sanções é posterior", disse Dijsselbloem, salientando que na agenda do fórum dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) está, na terça-feira, uma decisão sobre a recomendação da Comissão Europeia, de que Portugal e Espanha não tomaram as medidas necessárias para evitar uma derrapagem orçamental, em 2015.

"Sanções igual a zero são uma possibilidade", adiantou, reiterando que "a Comissão Europeia terá que chegar a uma segunda decisão, sobre as sanções, e temos que esperar por esse momento".

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se hoje em Bruxelas, no que constitui a antecâmara da votação no Conselho Ecofin sobre os processos de sanções a Portugal e Espanha devido ao défice excessivo, na terça-feira.

Após a recomendação adotada na semana passada pela Comissão Europeia, que abriu a porta à aplicação de inéditas sanções a Portugal e Espanha ao constatar que os dois países "necessitarão de novos prazos a fim de corrigir os seus défices excessivos" (que no caso português era 2015), por não terem feito os "esforços suficientes" para atingir as metas estabelecidas, a palavra passa para o Conselho Ecofin, onde só terão no entanto direito de voto os países do euro, que se reúnem já hoje em Bruxelas.

Caso o Conselho confirme o parecer da Comissão Europeia, esta terá um prazo de 20 dias a partir de terça-feira para recomendar o montante da multa a aplicar, que pode ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), mas que também pode ser reduzida até zero.

Apesar de a votação ter lugar em sede de Ecofin, o assunto será abordado hoje no fórum de ministros das Finanças da zona euro, onde têm assento os países com direito de voto, já que na votação de terça-feira participarão apenas os países da moeda única, sendo que os Estados-membros visados não votam na decisão referente ao seu próprio processo (ou seja, Portugal participará na votação sobre o processo a Espanha, e Espanha vota relativamente a Portugal).

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.