sicnot

Perfil

Economia

Presidente do Eurogrupo fala na necessidade de mais medidas para evitar sanções

Presidente do Eurogrupo fala na necessidade de mais medidas para evitar sanções

O Presidente do Eurogrupo diz que aplicar "sanção zero" a Portugal é uma possibilidade, dependendo do que o Governo fizer nos próximos tempos e fala na necessidade de mais medidas. Os ministros da Finanças da moeda única estão hoje reunidos em Bruxelas e vão discutir a recomendação da Comissão que concluiu que Portugal e Espanha falharam nos esforços para corrigir o défice.

"Só vamos decidir se Portugal e Espanha tomaram medidas inadequadas, se não fizeram aquilo com que se comprometeram" para manter as finanças públicas em ordem, disse Dijsselbloem, à entrada para a reunião do Eurogrupo.

O presidente do Eurogrupo considerou que "serão necessárias" mais medidas, referindo que Lisboa e Madrid têm que informar "sobre o que irão fazer este ano e nos próximos para resolver o problema", referindo-se às "questões orçamentais que têm de ser resolvidas".

"A decisão formal é no Ecofin", na terça-feira, salientou, reiterando que "a Comissão só nos pede que concordemos que até agora não foram tomadas medidas eficazes".

"A questão das sanções é posterior", disse Dijsselbloem, salientando que na agenda do fórum dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) está, na terça-feira, uma decisão sobre a recomendação da Comissão Europeia, de que Portugal e Espanha não tomaram as medidas necessárias para evitar uma derrapagem orçamental, em 2015.

"Sanções igual a zero são uma possibilidade", adiantou, reiterando que "a Comissão Europeia terá que chegar a uma segunda decisão, sobre as sanções, e temos que esperar por esse momento".

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se hoje em Bruxelas, no que constitui a antecâmara da votação no Conselho Ecofin sobre os processos de sanções a Portugal e Espanha devido ao défice excessivo, na terça-feira.

Após a recomendação adotada na semana passada pela Comissão Europeia, que abriu a porta à aplicação de inéditas sanções a Portugal e Espanha ao constatar que os dois países "necessitarão de novos prazos a fim de corrigir os seus défices excessivos" (que no caso português era 2015), por não terem feito os "esforços suficientes" para atingir as metas estabelecidas, a palavra passa para o Conselho Ecofin, onde só terão no entanto direito de voto os países do euro, que se reúnem já hoje em Bruxelas.

Caso o Conselho confirme o parecer da Comissão Europeia, esta terá um prazo de 20 dias a partir de terça-feira para recomendar o montante da multa a aplicar, que pode ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), mas que também pode ser reduzida até zero.

Apesar de a votação ter lugar em sede de Ecofin, o assunto será abordado hoje no fórum de ministros das Finanças da zona euro, onde têm assento os países com direito de voto, já que na votação de terça-feira participarão apenas os países da moeda única, sendo que os Estados-membros visados não votam na decisão referente ao seu próprio processo (ou seja, Portugal participará na votação sobre o processo a Espanha, e Espanha vota relativamente a Portugal).

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.