sicnot

Perfil

Economia

Maioria do petróleo usado na UE vem de empresas não-europeias

80% do petróleo usado na União Europeia (UE) provém de empresas não europeias, com predominância da Rússia, que garante um terço do produto importado, segundo um estudo divulgado hoje pela Quercus.

© Lucy Nicholson / Reuters

O estudo sobre a dependência do petróleo da UE, elaborado pela Cambridge Econometrics para a Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (T&E), da qual a associação ambientalista portuguesa Quercus faz parte, adianta que apenas dois dos 10 principais fornecedores de petróleo são europeus.

O estudo indica também que a maior parte do petróleo importado é fornecido por empresas de países com uma situação política e social instável, como são os casos da Rússia e da Líbia.

Em comunicado, a Quercus considera que "a excessiva dependência energética do petróleo externo está a dar lucro às grandes companhias petrolíferas destes países, aumentando a insegurança energética na UE".

O estudo da T&E refere que as empresas russas Rosneft e Lukoil representam a maior quota de importações de crude de petróleo para a UE.

A T&E estima que os custos associados à importação de petróleo e gasóleo podem ascender a 300 euros por ano por cada cidadão europeu, "dinheiro que está a fluir para fora da economia europeia".

A Quercus sublinha que a dependência das importações de petróleo bruto tem "aumentado drasticamente na Europa nos últimos 15 anos", acontecendo o mesmo com a dependência das importações de gasóleo, que duplicou, entre 2001 e 2014, para 35 mil milhões de euros.

Por sua vez, a produção doméstica da UE e as importações de crude a partir de países com um nível de instabilidade geopolítica muito baixo, como a Noruega, têm diminuído, agravando a insegurança energética europeia, acrescenta o comunicado da associação ambientalista portuguesa.

O estudo refere igualmente que os transportes são o setor mais dependente do petróleo importado na UE, representando dois terços da procura de produtos petrolíferos finais na Europa.

Para a Quercus, a implementação de medidas de descarbonização dos transportes poderia trazer claros benefícios ao nível da segurança económica, ambiental e energética, uma vez que a queima de combustíveis fósseis está diretamente associada às emissões de dióxido de carbono (CO2), o mais importante gás com efeito de estufa (GEE).

A Comissão Europeia vai publicar, a 20 de julho, a Estratégia Europeia de Mobilidade de Baixo Carbono.

Nesse sentido, a Quercus apela à Comissão Europeia para que proponha novos e ambiciosos limites de emissão de CO2 para os veículos ligeiros de passageiros, comerciais e pesados, para 2025, e desenvolva uma estratégia abrangente para impulsionar os veículos elétricos no setor dos transportes.

A Quercus propõe ainda medidas para reduzir as emissões da aviação e do transporte marítimo internacional e o fim dos apoios públicos à produção de biocombustíveis não sustentáveis.

"Estabelecer um plano ambicioso com vista à descarbonização dos transportes reduzirá a procura de petróleo e garantirá que o dinheiro dos contribuintes europeus fica salvaguardado, com o fomento da inovação, da criação de emprego e da segurança energética", refere ainda a associação ambientalista.

Com Lusa

  • As alterações na carta de condução que ajudam a poupar
    6:16
  • Obama diz que não fica em silêncio se os valores do país forem ameaçados
    2:26
  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".

  • Nevão provocou corte de energia no centro dos EUA
    1:37

    Mundo

    Uma tempestade de neve no centro dos Estados Unidos da América provocou cortes no abastecimento de eletricidade, atrasos em voos e dificuldades na circulação rodoviária. Em Espanha, a descida das temperaturas levou à emissão de avisos em 30 províncias de norte a sul do país e deixou 27.700 alunos sem aulas em Valência.

  • Cadela sobrevive após engolir faca de cozinha

    Mundo

    Na Escócia, uma história de sobrevivência, no mínimo, bicuda. Uma cadela engoliu uma faca de cozinha com mais de 20 centímetros, manteve-a dentro de si durante algumas semanas mas sobreviveu, depois de ser operada de urgência..