sicnot

Perfil

Economia

Barroso devia ter refletido sobre convite da Goldman Sachs, diz Moscovici

O ex-primeiro-ministro português Durão Barroso devia ter feito uma reflexão "política, ética e pessoal" quando foi contratado pela Goldman Sachs, disse hoje o comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros comentou o caso numa entrevista a uma rádio francesa.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros comentou o caso numa entrevista a uma rádio francesa.

© Vincent Kessler / Reuters

Em entrevista à estação de rádio francesa Europe 1, Moscovici admitiu que apesar de "não estar proibido", o ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso deveria ter feito uma "reflexão política, ética e pessoal" sobre os efeitos da contratação pelo banco Goldman Sachs.

Quando um político passa para o setor privado deve "pensar na imagem que projeta", acrescentou Pierre Moscovici, sublinhando que quando terminar o mandato que ocupa atualmente como comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros da União Europeia não vai para a Goldman Sachs.

O banco de investimento, com sede nos Estados Unidos, anunciou no passado dia 08 de julho que Durão Barroso vai trabalhar na subsidiária Goldman Sachs International (GSI), em Londres.

Durão Barroso, 60 anos, ex-primeiro-ministro de Portugal foi presidente da Comissão Europeia entre 2004 e 2014.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.