sicnot

Perfil

Economia

FMI aponta melhoria na recessão do Brasil para 3,3% em 2016

O Fundo Monetário Internacional reviu hoje a estimativa da recessão no Brasil para 3,3%, melhorando 0,5 pontos percentuais face ao previsto em abril, e antecipa agora uma expansão de 0,5% em 2017.

© Pawel Kopczynski / Reuters

"A confiança dos consumidores e empresários parece ter já batido no fundo no Brasil, e a recessão do PIB no primeiro trimestre foi mais leve que a antecipada", lê-se na atualização ao World Economic Outlook, hoje publicada.

No documento, que atualiza as projeções feitas no relatório do abril, e que está muito centrado nos efeitos do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, os peritos do FMI acrescentam que "está projetado que a recessão de 2016 seja ligeiramente menos severa de 3,8% para 3,3% do PIB, com um regresso ao crescimento positivo em 2017".

Os analistas afirmam, no entanto, que "as incertezas políticas mantêm-se e podem ensombrar a perspetiva de evolução" da economia brasileira, a maior da América Latina, e que já no ano passado sofreu uma recessão de 3,8%.

A economia global, por seu turno, deverá crescer 3,1% este ano e 3,4% em 2017, o que mostra um corte de 0,1 pontos percentuais face à estimativa de abril.

No relatório, dominado pelas consequências da saída do Reino Unido da União Europeia no seguimento do referendo, o FMI escreve que "o resultado do referendo no Reino Unido, que surpreendeu os mercados financeiros globais, implica a materialização de um risco descendente importante para a economia mundial", o que tem como consequência piores perspetivas económicas para 2016-2017, apesar do desempenho melhor do que o esperado no início de 2016.

O FMI argumenta ainda que piorou as suas expectativas devido ao "aumento considerável da incerteza, incluindo na frente política", alertando que esta incerteza poderá penalizar a confiança e o investimento.

Ainda assim, as projeções hoje apresentadas consideram "a assunção benigna" de que há uma redução gradual da incerteza, que há acordos entre o Reino Unido e a União Europeia que impedem um aumento das barreiras comerciais, que garantem que não há uma disrupção grande nos mercados financeiros e que as consequências políticas do Brexit são limitadas.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.