sicnot

Perfil

Economia

Crédito à habitação com forte recuperação em 2015

O crédito à habitação registou uma forte recuperação em 2015, com os novos contratos e os valores a aumentarem 51% e 65%, respetivamente, assim como o crédito aos consumidores voltou a crescer, segundo o Banco de Portugal.

O comunicado do Banco de Portugal (BdP) sobre o Relatório de Acompanhamento dos Mercados Bancários de Retalho 2015, hoje divulgado, mostra uma forte recuperação no crédito à habitação em 2015, em termos homólogos, e um aumento de 9,2% do montante médio dos novos contratos, destacando ainda que o prazo médio contratado também aumentou.

Cerca de 89,5% dos contratos foram celebrados com taxa de juro variável (88,8% em 2014), mantendo-se a Euribor a seis meses como o indexante mais utilizado, em 59,3% dos contratos.

O 'spread' [margem de lucro cobrada pelos bancos] médio dos contratos situou-se em 2,31 pontos percentuais, menos 0,67 pontos percentuais do que em 2014.

O regulador bancário avança ainda que o número e o montante de reembolsos antecipados aumentaram, respetivamente, 1,8% e 31,5%, face ao ano anterior, e que o número de renegociações de contratos caiu 18,6%.

No que diz respeito ao crédito aos consumidores, o número e o montante de novos contratos de crédito aumentaram 7,8% e 23%, respetivamente, em termos homólogos, com destaque para o crédito automóvel, que subiu 40,9% no montante concedido, face ao aumento de 33,2% em 2014.

O aumento do crédito concedido foi acompanhado pela redução do custo do crédito em todos os segmentos.

A taxa anual de encargos efetiva global (TAEG) média do mercado situou-se, no último trimestre de 2015, em 11,9%, menos 1,7 pontos percentuais do que no período homólogo de 2014.

O comunicado dá conta ainda de que em 2015 a oferta de depósitos a prazo simples "foi menos diversificada do que no ano anterior", permanecendo um mercado quase exclusivamente de taxa fixa.

As taxas de remuneração praticadas diminuíram em todos os prazos, sendo que no final do ano, 86% dos depósitos a prazo comercializados ao público apresentavam uma taxa anual nominal bruta (TANB) igual ou inferior a 1% (59% em 2014).

Cerca de 84% dos depósitos comercializados tinham prazos iguais ou inferiores a um ano (85% em 2014).

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.