sicnot

Perfil

Economia

FMI fez projeções demasiado otimistas para Portugal e Grécia

O organismo de avaliação independente do FMI considerou que o Fundo "não anteviu a magnitude dos riscos" que Portugal, Grécia e Irlanda enfrentaram durante a crise, concluindo que os programas português e grego "incorporaram projeções de crescimento demasiado otimistas".

No documento, o Independent Evaluation Office (IEO) do Fundo Monetário Internacional (FMI), um organismo interno da instituição liderada por Christine Lagarde, olha para o trabalho do Fundo nos programas de resgate em Portugal, na Grécia e na Irlanda durante a crise financeira internacional e faz uma avaliação quanto a cinco aspetos centrais: a fiscalização, a tomada de decisão, o trabalho com os parceiros europeus, o desenho e a implementação dos programas e o cumprimento das normas e transparência.

"A fiscalização do FMI anterior à crise identificou essencialmente os problemas certos, mas não anteviu a magnitude dos riscos que mais tarde se tornariam fundamentais", lê-se no relatório hoje publicado.

Sublinhando que a fiscalização da arquitetura da regulação financeira da zona euro "foi no geral de elevada qualidade", o IEO afirma que os técnicos do FMI "não viram o crescimento dos riscos do sistema bancário em alguns países" e "partilharam a perspetiva amplamente difundida de que 'a Europa é diferente'".

De acordo com o IEO, esta perspetiva encorajou a visão de que "os grandes desequilíbrios das contas nacionais não eram grande motivo de preocupação e que não podiam acontecer bloqueios repentinos na zona euro".

No que se refere à tomada de decisão, o IEO considerou que o Conselho de Administração do FMI aprovou um financiamento excecional para a Grécia "sem procurar antecipadamente uma reestruturação da dívida", ainda que a dívida soberana grega fosse considerada insustentável "com elevada probabilidade".

Já quanto à parceria com as instituições europeias envolvidas nos resgates destes três países (a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu), a equipa liderada por Shinji Takagi afirma que, "o FMI, tendo considerado que a possibilidade de emprestar a um membro da zona euro era improvável, nunca articulou tão bem como devia o desenho do programa com um país do euro, incluindo as condicionalidades quanto às políticas sob controlo das instituições regionais".

Assim, este organismo independente entende que a 'troika' (FMI, Comissão Europeia e BCE) foi "um mecanismo eficiente para conduzir as discussões dos programas com as autoridades nacionais", mas considera que "O FMI perdeu a sua agilidade característica como gestor de crise".

"E porque a Comissão Europeia negociou em nome do Eurogrupo, os mecanismos da 'troika' subjugaram potencialmente os julgamentos técnicos do FMI a pressões políticas desde muito cedo", alerta ainda o documento.

Relativamente ao desenho e à implementação dos programas, esta avaliação independente conclui que "os programas na Grécia e em Portugal incorporaram projeções de crescimento demasiado otimistas" e considera que "projeções mais realistas teriam tornado claro o impacto provável da consolidação orçamental nas dinâmicas do crescimento e da dívida".

Se isto tivesse acontecido, defende o IEO, as autoridades ter-se-iam preparado em conformidade ou persuadido os parceiros europeus a considerarem um financiamento adicional, "preservando a credibilidade do FMI como uma instituição independente e tecnocrata".

O IEO conclui que "as lições das crises passadas não foram sempre aplicadas" e diz que um exemplo disso foi "quando o FMI subestimou a resposta provavelmente negativa dos credores privados a programas de alto risco".

No último ponto - o cumprimento das regras e a transparência - o IEO considera que a forma como a instituição liderada por Christine Lagarde geriu a crise nos países do euro "levantou problemas", que "ajudaram a criar a perceção de que o FMI tratou a Europa de maneira diferente".

Na argumentação, a equipa do IEO refere que "foi desafiante" realizar esta avaliação, uma vez que "alguns documentos sobre assuntos sensíveis foram preparados fora dos canais regulares e estabelecidos", tendo sido detetada uma "falta de clareza".

O IEO lista cinco recomendações ao FMI para que corrija ou melhore o seu desempenho, sendo a primeira que o Conselho de Administração desenvolva "procedimentos para minimizar a margem para a intervenção política na análise técnica do FMI".

Além disso, o IEO considera que o Fundo deve "reforçar os processos existentes para garantir que as políticas acordadas são seguidas e que não são alteradas sem uma deliberação cautelosa" e que deve "clarificar as orientações para os programas a aplicar a membros de uniões monetárias".

Por último, é também recomendado que o FMI estabeleça "uma política de cooperação com os mecanismos de financiamento regionais" e que "reafirme o seu compromisso com o cumprimento das regras e transparência e com o papel de avaliador independente que promova boa governança".

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.