sicnot

Perfil

Economia

BCP com prejuízo de 197 milhões no 1º semestre

​O BCP registou prejuízos na ordem dos 197,3 milhões de euros no primeiro semestre do ano, valor que compara com um lucro de 240 milhões de euros verificado no período homólogo do ano passado, divulgou hoje o banco.

O banco justifica estes resultados com "itens não habituais", adiantando que, sem estes acontecimentos extraordinários, o banco teria tido um lucro de 56,2 milhões de euros no primeiro semestre de 2016, valor que compara com um prejuízo de 21,2 milhões de euros em igual período do ano passado.

Lusa

  • BCP dispara 7% na bolsa de Lisboa

    Economia

    Após alguns dias de nervosismo do banco nos mercados, o otimismo parece ter voltado com o banco a registar um aumento de 7%, motivado pelo adiamento da divulgação dos resultados do banco.

  • BCP e Santander fora da corrida ao Novo Banco

    Queda do BES

    O BCP e Santander estão fora da corrida ao Novo Banco. O prazo para apresentação das propostas terminou às 17:00. O Banco de Portugal disse que recebeu quatro propostas para a compra do Novo Banco, sem revelar o nome das entidades interessadas.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.