sicnot

Perfil

Economia

Mazda chama à revisão quase 850.000 veículos devido a falha no airbag

© Issei Kato / Reuters

A fabricante japonesa de automóveis Mazda vai chamar à revisão 845.761 veículos na China, devido a falhas nos dispositivos de 'airbag', anunciaram hoje as autoridades chinesas.

Segundo a Administração Geral de Supervisão e Inspeção de Qualidade e Quarentena da China, entre os veículos afetados, 822.560 são carros de seis passageiros, fabricados entre 2006 e este ano, 22.740 SUV de oito passageiros, comercializados entre 2010 e 2016, e 461 desportivos Mazda RX-8, fabricados entre 2004 e 2008.

"Devido a um problema no fornecedor, os airbag frontais poderiam romper-se ao emergir e ferir os automobilistas", revelaram as autoridades, num comunicado citado pela agência oficial Xinhua.

A empresa assegurou que vai substituir as partes defeituosas gratuitamente a partir de 23 de setembro de 2016.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.