sicnot

Perfil

Economia

Governo dá luz verde a solução, garantem lesados do BES

O presidente da associação dos clientes lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) disse que o Governo deu luz verde à solução que permitirá devolver parte do dinheiro perdido pelos clientes lesados.

Ricardo Ângelo deu esta informação aos jornalistas após uma reunião em Lisboa entre representantes da associação, da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do Banco de Portugal e do Governo (o advogado Diogo Lacerda Machado e Nuno Martins, pelo Ministério das Finanças).

Durante a reunião, que começou às 10h e terminou pelas 12h30, cerca de 40 clientes lesados que compraram papel comercial aos balcões do BES, poucos meses antes da queda do banco e do grupo, em agosto de 2014, concentraram-se junto às instalações do Banco de Portugal, aguardando o desfecho do encontro.

No final, estes clientes manifestaram-se satisfeitos com o aval do Governo ao mecanismo que os compensará parcialmente das perdas sofridas, mas cautelosos, uma vez que a materialização da solução ainda será demorada.

O presidente da associação admitiu que o processo de constituição de um fundo de indemnizações é complexo e que ainda haverá muitas reuniões. Mostrou-se, no entanto, confiante: "Já não há volta atrás".

Cerca de 2 mil clientes de retalho reclamam os 432 milhões de euros que investiram em papel comercial das empresas Espírito Santo International e Rioforte, do GES, vendidos aos balcões do BES meses antes da falência do grupo.

A solução para estes clientes lesados começou a ser trabalhada em março, com a criação de um grupo de trabalho, depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter chamado a si este processo, considerando que a resolução deste problema é fundamental para a estabilidade do sistema financeiro.

Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05