sicnot

Perfil

Economia

Sindicato e empresas sem acordo sobre serviços mínimos na véspera da greve nos aeroportos

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) e as empresas de segurança Prosegur e Securitas ainda não chegaram a acordo sobre os serviços mínimos para a greve de 24 horas que começa à meia-noite.

Os trabalhadores das duas empresas de segurança iniciaram na quarta-feira uma greve ao trabalho extraordinário e endurecem o protesto, a partir da meia-noite, com uma paralisação de 24 horas, que a ANA - Aeroportos de Portugal já admitiu que poderá causar constrangimentos.

Hoje, a Associação de Empresas de Segurança (AES) acusou o Sitava de não ter designado os trabalhadores a afetar aos serviços mínimos à greve no prazo definido na lei e o sindicato responde que pondera dizer aos associados para não cumprirem os serviços mínimos definidos pelas empresas.

Em declarações à Lusa, o dirigente do Sitava Armando Costa explicou que, uma vez que o despacho do Governo sobre os serviços mínimos não quantificava os "mínimos indispensáveis", o sindicato não podia designar que trabalhadores os cumpririam.

Entretanto, o Sitava apresentou uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Lisboa, por considerar que está a ser violado o direito à greve, estando ainda a aguardar uma decisão.

No entender da AES, o despacho proferido conjuntamente pelos ministros da Administração Interna, da Economia e os secretários de Estado das Infraestruturas e do Emprego "balizou os serviços mínimos que deviam ser garantidos, (...) referindo que caberia ao Sitava designar, até 24 horas antes do início do período de greve, os trabalhadores aderentes à greve a afetar à prestação desses serviços mínimos", o que não aconteceu.

Neste caso, acrescenta a AES, "devem os empregadores proceder a essa designação", o que foi feito, tendo as duas empresas indicado "os meios humanos estritamente necessários, essenciais e imprescindíveis para salvaguardar a prestação dos serviços mínimos indispensáveis".

Os trabalhadores das empresas Prosegur e Securitas são hoje quem assegura o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros e também dos trabalhadores do aeroporto.

Na origem desta greve estão a negociação de um contrato coletivo de trabalho para os Assistentes de Portos e Aeroportos (APA) sem qualquer regime de flexibilização da organização dos tempos de trabalho, a criação de uma carreira profissional e "a tomada de medidas urgentes" no âmbito de saúde e segurança no trabalho, explicou o Sitava.

Face ao pré-aviso de greve para os trabalhadores de empresas de segurança, a gestora dos aeroportos portugueses recomenda "aos passageiros que se desloquem para os referidos aeroportos com antecedência superior à habitual", admitindo que "é previsível que o processamento de passageiros nos aeroportos nacionais sofra constrangimentos amanhã [sábado]", lê-se no comunicado da ANA hoje divulgado.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.