sicnot

Perfil

Economia

Empresas de Segurança denunciam ilegalidades na greve nos aeroportos

​A Associação de Empresas de Segurança denunciou hoje a existência de ilegalidades na greve que decorre nos aeroportos, na prestação de serviços mínimos, e de casos de assédio aos trabalhadores que iam para o seu posto.

Realçando que defende o respeito pela lei, nomeadamente no direito à greve, a associação que representa as empresas do setor diz, no entanto, que "não pode deixar de denunciar algumas situações de desrespeito da legalidade e da liberdade dos trabalhadores".

Os trabalhadores da Prosegur e da Securitas, que asseguram o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros assim como dos trabalhadores dos aeroportos, estão hoje em greve, marcada após mais de nove meses de negociações entre o sindicato e a AES para a celebração de um novo contrato coletivo de trabalho.

Em comunicado, a Associação de Empresas de Segurança (AES) lista ilegalidades como a falta de identificação, pelos sindicatos, dos elementos a afetar à prestação de serviços mínimos.

"A AES não tem conhecimento da existência de qualquer providência cautelar interposta pelas associações sindicais" nem informação acerca do seu deferimento, e reitera que "o incumprimento dos serviços mínimos nos termos fixados pelas autoridades competentes constitui uma clara violação das obrigações legais".

Por outro lado, "alguns profissionais que se dirigiam para o seu posto de trabalho foram assediados e coagidos moral e fisicamente, tendo alguns deles visto as suas viaturas vandalizadas", denuncia a AES que considera estas atitudes "um claro desrespeito pelo direito de todos os vigilantes a exercerem a sua atividade livremente".

A AES apela ainda a todas as partes, para que sem prejuízo do exercício do direito constitucional à greve, todos o façam no respeito pela legalidade e pela liberdade individual.

No final da manhã, o dirigente sindical do STAD - Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpezas Domésticas e Atividades Diversas, Carlos Trindade, disse que esta greve ao trabalho extraordinário conta com uma adesão de 80% em Lisboa e acima de 50% no Porto e em Faro.

O sindicalista falava à Lusa, em frente às instalações do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, onde estavam concentradas cerca de duas centenas de trabalhadores.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.