sicnot

Perfil

Economia

Empresas de Segurança denunciam ilegalidades na greve nos aeroportos

​A Associação de Empresas de Segurança denunciou hoje a existência de ilegalidades na greve que decorre nos aeroportos, na prestação de serviços mínimos, e de casos de assédio aos trabalhadores que iam para o seu posto.

Realçando que defende o respeito pela lei, nomeadamente no direito à greve, a associação que representa as empresas do setor diz, no entanto, que "não pode deixar de denunciar algumas situações de desrespeito da legalidade e da liberdade dos trabalhadores".

Os trabalhadores da Prosegur e da Securitas, que asseguram o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros assim como dos trabalhadores dos aeroportos, estão hoje em greve, marcada após mais de nove meses de negociações entre o sindicato e a AES para a celebração de um novo contrato coletivo de trabalho.

Em comunicado, a Associação de Empresas de Segurança (AES) lista ilegalidades como a falta de identificação, pelos sindicatos, dos elementos a afetar à prestação de serviços mínimos.

"A AES não tem conhecimento da existência de qualquer providência cautelar interposta pelas associações sindicais" nem informação acerca do seu deferimento, e reitera que "o incumprimento dos serviços mínimos nos termos fixados pelas autoridades competentes constitui uma clara violação das obrigações legais".

Por outro lado, "alguns profissionais que se dirigiam para o seu posto de trabalho foram assediados e coagidos moral e fisicamente, tendo alguns deles visto as suas viaturas vandalizadas", denuncia a AES que considera estas atitudes "um claro desrespeito pelo direito de todos os vigilantes a exercerem a sua atividade livremente".

A AES apela ainda a todas as partes, para que sem prejuízo do exercício do direito constitucional à greve, todos o façam no respeito pela legalidade e pela liberdade individual.

No final da manhã, o dirigente sindical do STAD - Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpezas Domésticas e Atividades Diversas, Carlos Trindade, disse que esta greve ao trabalho extraordinário conta com uma adesão de 80% em Lisboa e acima de 50% no Porto e em Faro.

O sindicalista falava à Lusa, em frente às instalações do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, onde estavam concentradas cerca de duas centenas de trabalhadores.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.