sicnot

Perfil

Economia

Empresas de Segurança denunciam ilegalidades na greve nos aeroportos

​A Associação de Empresas de Segurança denunciou hoje a existência de ilegalidades na greve que decorre nos aeroportos, na prestação de serviços mínimos, e de casos de assédio aos trabalhadores que iam para o seu posto.

Realçando que defende o respeito pela lei, nomeadamente no direito à greve, a associação que representa as empresas do setor diz, no entanto, que "não pode deixar de denunciar algumas situações de desrespeito da legalidade e da liberdade dos trabalhadores".

Os trabalhadores da Prosegur e da Securitas, que asseguram o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros assim como dos trabalhadores dos aeroportos, estão hoje em greve, marcada após mais de nove meses de negociações entre o sindicato e a AES para a celebração de um novo contrato coletivo de trabalho.

Em comunicado, a Associação de Empresas de Segurança (AES) lista ilegalidades como a falta de identificação, pelos sindicatos, dos elementos a afetar à prestação de serviços mínimos.

"A AES não tem conhecimento da existência de qualquer providência cautelar interposta pelas associações sindicais" nem informação acerca do seu deferimento, e reitera que "o incumprimento dos serviços mínimos nos termos fixados pelas autoridades competentes constitui uma clara violação das obrigações legais".

Por outro lado, "alguns profissionais que se dirigiam para o seu posto de trabalho foram assediados e coagidos moral e fisicamente, tendo alguns deles visto as suas viaturas vandalizadas", denuncia a AES que considera estas atitudes "um claro desrespeito pelo direito de todos os vigilantes a exercerem a sua atividade livremente".

A AES apela ainda a todas as partes, para que sem prejuízo do exercício do direito constitucional à greve, todos o façam no respeito pela legalidade e pela liberdade individual.

No final da manhã, o dirigente sindical do STAD - Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpezas Domésticas e Atividades Diversas, Carlos Trindade, disse que esta greve ao trabalho extraordinário conta com uma adesão de 80% em Lisboa e acima de 50% no Porto e em Faro.

O sindicalista falava à Lusa, em frente às instalações do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, onde estavam concentradas cerca de duas centenas de trabalhadores.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.