sicnot

Perfil

Economia

Caldeira Cabral diz que dados do INE mostram aceleração do crescimento mas não satisfazem

O ministro da Economia disse esta quarta-feira que os dados do INE a rever em alta o crescimento do PIB no segundo trimestre mostram uma aceleração, a par de outros indicadores, mas ainda não satisfazem o Governo.

"O que esses dados revelam é uma aceleração da economia. Os dados em cadeia mostram que o segundo trimestre já teve um crescimento melhor do que o primeiro e os indicadores que temos do terceiro trimestre são também muito positivos", afirmou Manuel Caldeira Cabral, em declarações à Lusa em Maputo, à margem de uma visita de três dias a Moçambique.

O governante observou que a economia vinha de um período de estagnação, desde o início do ano passado até ao primeiro trimestre de 2016, e a revisão em alta hoje divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) representa "um primeiro sinal de aceleração", mas ainda abaixo do desejável.

"(A economia) não está ainda com o ritmo de crescimento que desejaríamos", comentou.

A economia portuguesa cresceu 0,9% no segundo trimestre face ao período homólogo e 0,3% em relação ao trimestre anterior, segundo o INE, que reviu hoje em alta em 0,1 pontos percentuais cada um dos valores.

No dia 12 de agosto, na estimativa rápida, o INE tinha divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) português tinha crescido 0,8% entre abril e junho deste ano em relação aos mesmos meses do ano passado e que tinha aumentado 0,2% face ao primeiro trimestre deste ano.

Segundo Caldeira Cabral, "há outros sinais positivos", apontando o caso do emprego, que "esteve estagnado quase um ano", mas os números do segundo trimestre indicam um aumento de quase 90 mil postos de trabalho e "demonstram que está a haver novas contratações e confiança" na economia portuguesa.

"Mais lentamente do que desejaríamos, as empresas estão a voltar a investir e a retoma está eventualmente a ganhar ritmo", destacou, mas insistindo que os indicadores do crescimento ainda são pouco expressivos e é preciso aguardar por mais elementos.

Para Manuel Caldeira Cabral, "passar de um crescimento de 0,2% para 0,3% ainda é pouco, mas é uma evolução positiva" e coloca o país numa trajetória mais otimista do que nas previsões anteriores.

"Saliento que um crescimento de 0,2% era consistente com um crescimento a 0,9% a nível anual. Um crescimento de 0,3% já nos coloca num crescimento anual, se este crescimento em cadeia se mantiver, próximo de 1,2%", declarou, mantendo confiança de que "o próximo trimestre continue esta aceleração".

O Governo antecipou que o PIB crescesse 1,8% este ano, uma projeção mais otimista do que a do Fundo Monetário Internacional (1,4%), da Comissão Europeia (1,5%) e do Banco de Portugal (1,3%).

Manuel Caldeira Cabral encerra esta quarta-feira uma visita a Moçambique, onde na segunda-feira participou na abertura da Feira Internacional de Maputo e visitou os 31 expositores presentes no pavilhão de Portugal, o maior do principal evento empresarial do país.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.