sicnot

Perfil

Economia

Caldeira Cabral diz que dados do INE mostram aceleração do crescimento mas não satisfazem

O ministro da Economia disse esta quarta-feira que os dados do INE a rever em alta o crescimento do PIB no segundo trimestre mostram uma aceleração, a par de outros indicadores, mas ainda não satisfazem o Governo.

"O que esses dados revelam é uma aceleração da economia. Os dados em cadeia mostram que o segundo trimestre já teve um crescimento melhor do que o primeiro e os indicadores que temos do terceiro trimestre são também muito positivos", afirmou Manuel Caldeira Cabral, em declarações à Lusa em Maputo, à margem de uma visita de três dias a Moçambique.

O governante observou que a economia vinha de um período de estagnação, desde o início do ano passado até ao primeiro trimestre de 2016, e a revisão em alta hoje divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) representa "um primeiro sinal de aceleração", mas ainda abaixo do desejável.

"(A economia) não está ainda com o ritmo de crescimento que desejaríamos", comentou.

A economia portuguesa cresceu 0,9% no segundo trimestre face ao período homólogo e 0,3% em relação ao trimestre anterior, segundo o INE, que reviu hoje em alta em 0,1 pontos percentuais cada um dos valores.

No dia 12 de agosto, na estimativa rápida, o INE tinha divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) português tinha crescido 0,8% entre abril e junho deste ano em relação aos mesmos meses do ano passado e que tinha aumentado 0,2% face ao primeiro trimestre deste ano.

Segundo Caldeira Cabral, "há outros sinais positivos", apontando o caso do emprego, que "esteve estagnado quase um ano", mas os números do segundo trimestre indicam um aumento de quase 90 mil postos de trabalho e "demonstram que está a haver novas contratações e confiança" na economia portuguesa.

"Mais lentamente do que desejaríamos, as empresas estão a voltar a investir e a retoma está eventualmente a ganhar ritmo", destacou, mas insistindo que os indicadores do crescimento ainda são pouco expressivos e é preciso aguardar por mais elementos.

Para Manuel Caldeira Cabral, "passar de um crescimento de 0,2% para 0,3% ainda é pouco, mas é uma evolução positiva" e coloca o país numa trajetória mais otimista do que nas previsões anteriores.

"Saliento que um crescimento de 0,2% era consistente com um crescimento a 0,9% a nível anual. Um crescimento de 0,3% já nos coloca num crescimento anual, se este crescimento em cadeia se mantiver, próximo de 1,2%", declarou, mantendo confiança de que "o próximo trimestre continue esta aceleração".

O Governo antecipou que o PIB crescesse 1,8% este ano, uma projeção mais otimista do que a do Fundo Monetário Internacional (1,4%), da Comissão Europeia (1,5%) e do Banco de Portugal (1,3%).

Manuel Caldeira Cabral encerra esta quarta-feira uma visita a Moçambique, onde na segunda-feira participou na abertura da Feira Internacional de Maputo e visitou os 31 expositores presentes no pavilhão de Portugal, o maior do principal evento empresarial do país.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.