sicnot

Perfil

Economia

CGTP dá prioridade ao combate à precariedade

A CGTP defendeu esta quarta-feira o combate à precariedade como uma prioridade de todo o movimento sindical, tendo em conta que 8 em cada 10 empregos criados em 2015 não tinham vínculo permanente.

De acordo com a proposta reivindicativa da Intersindical, 25% dos contratos feitos nos primeiros dez meses de 2015 tinham duração inferior a 60 dias.

"A precariedade assume assim, neste contexto, uma prioridade de todo o Movimento Sindical Unitário. A prioridade promove a insegurança e o empobrecimento dos trabalhadores e das suas famílias; é um foco de exploração e desigualdades", diz a Inter.

O conselho Nacional da CGTP aprovou hoje a sua proposta reivindicativa para 2017, que prevê aumentos salariais de 4%, que garantam um mínimo de 40 euros a cada trabalhador, e o aumento do salário mínimo nacional (SMN) para os 600 euros.

A central reivindica a reorientação das políticas ativas de emprego de modo a contribuirem para a "criação líquida de emprego estável, seguro e com direitos".

Segundo a central sindical, que refere um relatório do Governo, 36% dos novos contratos de trabalho são feitos com base numa remuneração igual ao SMN, que é atualmente de 530 euros.

No documento, a central sindical salientou ainda o agravamento da pobreza e das desigualdades sociais entre 2011 e 2014, com a população pobre a passar dos 17,95 para os 19,5%, respetivamente.

"Impressiona, quer o número de pessoas em risco de pobreza e de exclusão social-próximo do limiar dos 3 milhões em 2014 (2,9 milhões, o que corresponde a 27,5% da população), quer o aumento de 284 mil pessoas desde 2011", refere a proposta.

A CGTP salienta ainda que a pobreza não afeta só os idosos com baixas pensões, pois atinge 11% dos trabalhadores e 41% dos desempregados.

Por isso reivindica a reposição da idade de reforma nos 65 anos, a reforma antecipada sem penalizações para os trabalhadores com 40 anos de carreira contributiva e a melhoria da proteção no desemprego.

A reposição de direitos, a redução do horário de trabalho e o respeito pela contratação coletiva são outras das reivindicações defendidas pela Inter na sua proposta.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.