sicnot

Perfil

Economia

BE quer que Portugal conte com um "banco público forte"

A deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua considerou esta quinta-feira que Portugal tem que ter um banco público forte, que garanta a estabilidade do sistema financeiro, pelo que apoia a injeção de capital na Caixa Geral de Depósitos (CGD).

"O mais importante é que Portugal tenha um banco público forte. Isso garante a estabilidade do sistema. Para tal tem que ter capital. É por isso que o Bloco de Esquerda não se opõe que o Estado use dinheiro público para capitalizar um banco público", destacou.

"Isto é muito diferente do que defender o uso de dinheiro público para capitalizar bancos privados", assinalou, durante a sua intervenção no debate sobre a CGD na comissão permanente da Assembleia da República.

Face às críticas da oposição (PSD e CDS) ao PS, ao Bloco de Esquerda e ao PCP, partidos que têm a maioria parlamentar e suportam o executivo de António Costa, Mortágua vincou que "o Bloco votou contra na altura de injetar dinheiro público no Banif, e que o PSD viabilizou".

A deputada bloquista realçou ainda que "o governo PSD/CDS injetaram dinheiro público no BES".

E acrescentou: "Mais uma vez não percebemos a posição do PSD sobre o valor da recapitalização. Se acham que o valor é excessivo é porque sabem quanto é que a CGD precisava. Então porque é que não fizeram a recapitalização".

Mortágua aproveitou a ocasião para apelar para que não haja despedimentos na CGD.

"Queremos uma CGD que não despeça funcionários", sublinhou, considerando que não podem ser repetidos os processos pelos quais passaram os trabalhadores do Novo Banco e do Banif, que na sua ótica foram "desrespeitados".

A deputada concluiu que "não podem ser os trabalhadores as vítimas deste processo" de reestruturação do banco estatal.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.