sicnot

Perfil

Economia

FMI alerta que Brasil precisa de um ajuste fiscal "mais forte"

O diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner, alertou esta quinta-feira que o Brasil precisa de um ajuste fiscal "mais forte" e enviar sinais de que está comprometido com isso.

"Todas as economias da América Latina estão numa situação fiscal mais fraca do que se esperava (...) Há algumas economias que precisam de um programa gradual de ajuste, e há aquelas que precisam de um ajuste mais forte, como o Brasil", disse, na 20.ª conferência anual do Banco de Desenvolvimento da América Latina, em Washington.

Para o economista, citado pelo jornal O Globo, o Brasil necessita de enviar sinais de que está comprometido com o ajuste, a nível institucional e político.

Durante o seu discurso, Alejandro Werner considerou que os problemas fiscais são também derivados da mudança do cenário global, que acabou com o ciclo de altos preços das 'commodities'.

Para o responsável do FMI, a situação de fragilidade dos países da zona gera riscos notáveis depois de "a classe política latino-americana se ter acostumado a governar em tempos de abundância" na década passada.

Em julho, o FMI previu que a América Latina terminará o ano em recessão, pelo segundo ano consecutivo, com um crescimento negativo de 0,4%.

"Os brasileiros gostariam de não fazer o ajuste, até porque têm uma situação política mal resolvida, mas, por outro lado, têm a menor margem de manobra fiscal da região", disse Augusto de La Torre, economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina, presente no mesmo encontro.

O economista, citado pelo diário brasileiro, alertou que o Brasil sofre por ter taxas de juro muito elevadas por muito tempo e criticou os problemas entre o Governo e os estados sobre dívidas e financiamento.

Augusto De La Torre acrescentou que parece existir um grupo de economistas que crê que se o Brasil chegar a um acordo político para o ajuste fiscal, tal pode gerar credibilidade e uma diminuição dos juros.

"A maioria dos observadores pensa que o Brasil já tocou no fundo e que a economia está contraindo num ritmo menor e que no próximo ano o crescimento se regenerará e teremos um crescimento positivo. Parte disso tem influência do golpe de otimismo que veio com os Jogos Olímpicos", referiu.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41