sicnot

Perfil

Economia

Maria Luís diz que aprovação do OE depende de maioria que apoia o Governo

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque insistiu esta quinta-feira na ideia de que a aprovação do Orçamento do Estado (OE), "instrumento primeiro de governação", cabe em exclusivo aos partidos que apoiam no parlamento o Governo do PS.

"Aquilo que o PSD tem dito e repetido, nomeadamente através do seu presidente, é que a responsabilidade da preparação e aprovação do Orçamento é da maioria e não da oposição. O Orçamento é o instrumento primeiro da governação e quem suporta o Governo é que tem essa responsabilidade de preparar um Orçamento e o fazer aprovar no parlamento", vincou a social-democrata.

Maria Luís Albuquerque falava à agência Lusa e à SIC em Atenas, capital grega, onde interveio esta tarde numa conferência a convite do partido grego Nova Democracia.

Questionada sobre os dados económicos portugueses, e a estratégia do atual executivo, a antiga ministra das Finanças sustentou que "neste momento" já não são discutidas "expectativas ou previsões", antes "resultados concretos que são observáveis" e preocupantes.

"A estratégia de apostar no consumo e na procura interna já deu muito maus resultados no passado e infelizmente está a correr mal novamente", frisou.

Depois, a social-democrata vincou que "o que é importante para o PSD é que as coisas corram bem para o país", e um cenário de eventual vitória futura do partido em eleições após perturbações económicas no país não é desejável.

"Ganhar eleições porque o partido anterior, que governou antes de nós, voltou a colocar o país numa situação de bancarrota, é algo que no PSD ninguém deseja", disse.

Convidada para estar em Atenas pelo partido grego Nova Democracia e transmitir a sua experiência enquanto ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque falou durante cerca de 20 minutos sobre a sua vivência como governante mas contextualizou também perante algumas centenas de gregos a atual situação política e económica portuguesa.

A visita da antiga governante antecede em um dia uma cimeira de líderes de países do sul da União Europeia (UE), encontro convocado pelo primeiro-ministro helénico, Alexis Tsipras, e que contará com o chefe do Governo português, António Costa.

Sobre esta reunião informal, a dirigente social-democrata reconheceu "dificuldade" em entender a sua existência e eventuais "vantagens".

"Confesso que tenho muita dificuldade em perceber estas iniciativas que juntam países do sul. Acho que isto só contribui para acentuar o preconceito e divisão entre sul e norte. A UE é uma só, a área do euro é uma só", sublinhou aos jornalistas portugueses.

Maria Luís Albuquerque foi uma das oradoras da conferência "Melhores práticas europeias: uma força motriz para a Grécia" e abordou a "recuperação económica de Portugal", numa sessão que arrancou com a intervenção do líder da Nova Democracia, Kyriakos Mitsotakis, que recentemente esteve na Universidade de Verão do PSD.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.