sicnot

Perfil

Economia

Desemprego mantém-se estável em julho na OCDE, zona euro e Portugal

A taxa de desemprego manteve-se estável nos em 6,3% na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) em julho, em 10,1% na zona euro e em 11,1% em Portugal, foi esta segunda-feira anunciado.

Segundo dados publicados hoje pela OCDE, a taxa de desemprego de 6,3% em julho nos 34 países da OCDE, nível que se mantém desde maio, é inferior em 1,8 pontos percentuais do valor máximo registado em janeiro de 2013.

Em termos absolutos no conjunto dos 34 países em julho existiam 39,1 milhões de desempregados, menos 9,9 milhões do que em janeiro de 2013, mas ainda mais 6,4 milhões do que em abril de 2008, antes do início da crise do mercado laboral.

Na zona euro a taxa de desemprego manteve-se estável pelo quarto mês consecutivo em julho, tendo Espanha e Itália liderado as quedas.

Em Espanha e Itália, em julho, as taxas de desemprego caíram, respetivamente, 0,3 pontos percentuais para 19,6% e 0,2 pontos percentuais para 11,4%.

Em contraste, a taxa de desemprego subiu em França em julho, designadamente 0,2 pontos para 10,3%.

Fora da Europa, a organização refere ainda que a taxa de desemprego em julho desceu no 0,1 pontos no Japão para 3% e no México para 3,8%, manteve-se estável nos Estados Unidos em 4,9% e aumentou 0,1 pontos no Canadá para 6,9%.

A OCDE refere ainda que dados mais recentes mostram que a taxa de desemprego em agosto se manteve de novo estável nos Estados Unidos (em 4,9%) e continuou a subir no Canadá (mais 0,1 pontos para 7%).

Em termos absolutos, os países com mais desempregados foram em julho os Estados Unidos, com 7,7 milhões, seguido de Espanha (4,46 milhões), França (3,06 milhões), Itália (2,94 milhões), México (2,06 milhões), Japão (2,01 milhões) e Alemanha (1,82 milhões).

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44